O movimento consciente pode diminuir o estresse e a ansiedade

Neuroscience 21 de Junho, 2018


72-2022


Um novo estudo revela que a participação em exercícios de movimento consciente pode ajudar a reduzir o estresse, a ansiedade e a sensação de tristeza.


Fonte: Penn State.


Dar uma caminhada pode ser uma boa oportunidade para revisar mentalmente sua lista de tarefas, mas usar o tempo para estar mais atento à sua respiração e ao ambiente pode ajudar a aumentar seu bem-estar, de acordo com os pesquisadores.


Os pesquisadores descobriram que, embora os alunos relatassem estar menos estressados ​​enquanto estavam em pé e em movimento, eles receberam um benefício ainda maior quando relataram estar mais atentos.


Chih-Hsiang “Jason” Yang, um estudioso de pós-doutorado da University of Southern California que liderou o estudo enquanto fazia seu doutorado na Penn State, disse que os resultados sugerem uma maneira simples para as pessoas melhorarem seu bem-estar ao longo do dia.


“Pode ser difícil pedir às pessoas que gastem muito tempo fazendo atividades moderadas ou vigorosas, indo à academia ou correndo, especialmente se elas se sentem estressadas”, disse Yang. “Mas se eles não precisam mudar seu comportamento diário e podem, em vez disso, tentar mudar seu estado de espírito tornando-se mais conscientes, eles provavelmente podem ver esse efeito benéfico. Você não precisa exercer muito esforço extra para melhorar seu bem-estar sendo mais cuidadoso enquanto se desloca. ”




David Conroy, professor de cinesiologia da Penn State, também disse que as descobertas - publicadas recentemente na revista Psychology of Sports and Exercise - podem ajudar as pessoas que não são capazes de praticar exercícios extenuantes.


“Se alguém está procurando uma maneira de gerenciar esses tipos de sentimentos, pode valer a pena tentar algum tipo de movimento consciente”, disse Conroy. “Esta opção pode ser especialmente benéfica para pessoas que não gostam de exercícios e preferem uma forma menos intensa de atividade física.”


De acordo com a American College Health Association, mais da metade dos estudantes universitários experimenta ansiedade, tristeza ou exaustão mental pelo menos uma vez por ano, sugerindo a necessidade de uma maneira simples de reduzir esses estados negativos. Como os alunos costumam se movimentar ao longo do dia, enquanto caminham para a aula e realizam outras atividades, os pesquisadores queriam ver se havia uma conexão entre atenção plena, movimento e redução dos estados negativos.


Os pesquisadores recrutaram 158 alunos da Penn State para o estudo. Durante duas semanas, um aplicativo especial para celular, chamado Paco, solicitou aleatoriamente aos participantes oito vezes por dia que respondessem a perguntas sobre suas atividades atuais e estados de espírito. Os prompts incluíam perguntas sobre onde o participante estava, se estava se movendo e se estava estressado ou ansioso, bem como perguntas destinadas a avaliar a atenção plena.


Depois de analisar os dados, os pesquisadores descobriram que nos momentos em que os participantes estavam mais atentos ou ativos do que o normal, eles mostraram redução do afeto negativo. Eles também descobriram um possível efeito sinérgico quando as pessoas estavam atentas e ativas.


“Quando as pessoas estavam mais atentas e mais ativas do que o normal, elas pareciam ter uma redução extra no afeto negativo”, disse Yang. “Ser mais ativo em um determinado momento já vai reduzir o afeto negativo, mas ao ser mais atento do que o normal ao mesmo tempo, você pode ver esse afeto amplificado.”


Conroy disse que era interessante ver os padrões emergirem dentro dos participantes individuais, em vez de apenas comparar as pessoas que geralmente são mais atentas a pessoas que geralmente são menos atentas.


“A maioria dos estudos nessa área enfocou as diferenças entre as pessoas que são mais e as que são menos conscientes, mas vimos que os estudantes universitários muitas vezes entram e saem de estados conscientes durante o dia”, disse Conroy. “Desenvolver a capacidade de mudar para esses estados de consciência conforme necessário pode ser valioso para melhorar a autorregulação e o bem-estar.”


Para explorar melhor o papel causal da atenção plena nos estados negativos inferiores do ser, Yang concluiu um segundo estudo, no qual adultos mais velhos que participaram de uma atividade de atenção plena ao ar livre relataram seus sentimentos de estresse, ansiedade e depressão. Yang descobriu que andar atento estava associado a níveis mais baixos desses sentimentos.


Os pesquisadores disseram que, no futuro, estudos que coletam dados mais objetivos - como a coleta de informações sobre a atividade física usando acelerômetros - e incluem populações mais variadas podem ser úteis.


SOBRE ESTE ARTIGO DE PESQUISA EM NEUROCIÊNCIA

Fonte: Katie Bohn - Penn State

Editor: Organizado por NeuroscienceNews.com.

Fonte da imagem: A imagem da NeuroscienceNews.com é de domínio público.

Pesquisa Original: Resumo para “O afeto negativo momentâneo é menor durante o movimento consciente do que sentado: um estudo de amostragem de experiência” por Chih-Hsiang Yang e David E. Conroy em Psicologia do Esporte e Exercício. Publicado em 9 de maio de 2018.

doi: 10.1016 / j.psychsport.2018.05.003


Resumo

O afeto negativo momentâneo é menor durante o movimento consciente do que sentado: um estudo de amostragem de experiência


Fundo

Os comportamentos baseados no movimento e a atenção plena podem diminuir muitos aspectos do afeto negativo (por exemplo, estresse, ansiedade, depressão). Não está claro se a atenção plena durante a vigília, comportamentos baseados em movimento (por exemplo, mover-se, ficar em pé, sentar) influencia as associações entre esses comportamentos baseados em movimento e afeto negativo.


Objetivo

Este estudo testou se a atenção plena situacional moderou associações entre (1) comportamento usual de se mover / ficar de pé e afeto negativo ou (2) comportamento momentâneo de se mover / ficar de pé e afeto negativo.


Projeto

Um estudo de amostragem de experiência de 14 dias baseado em smartphone foi conduzido para avaliar comportamentos baseados em movimentos e experiências subjetivas de estudantes universitários.


Método

Um modelo multinível foi estimado para prever o efeito negativo momentâneo de uma variedade de preditores, incluindo a interação entre atenção plena e comportamentos baseados em movimento.


Resultados

O afeto negativo momentâneo dos participantes foi menor ao se mover (versus sentar) se eles estivessem mais atentos do que o normal naquele momento (b = 0,10, p <0,001). As pessoas também relataram menos afeto negativo durante o movimento (b = −0,70, p <0,001) ou em pé (b = −0,51, p <0,001) do que sentado.


Conclusões

Esses resultados estendem o trabalho anterior, mostrando que a atenção plena durante os comportamentos baseados no movimento está associada a menos afeto negativo momentâneo. Integrar práticas de atenção plena a comportamentos diários baseados em movimento pode levar a maiores benefícios para a saúde mental e essa hipótese deve ser testada em pesquisas experimentais.



------


English Version


Mindful Movement May Lower Stress and Anxiety

Neuroscience June 21, 2018



Summary: A new study reveals participating in mindful movement exercises can help to reduce stress, anxiety and feelings of sadness.

Source: Penn State.

Taking a walk may be a good opportunity to mentally review your to-do list, but using the time to instead be more mindful of your breathing and surroundings may help boost your wellbeing, according to researchers.

The researchers found that while students reported being less stressed while they were on their feet and moving, they received an even greater benefit when they reported also being more mindful.

Chih-Hsiang “Jason” Yang, a postdoctoral scholar at the University of Southern California who led the study while earning his doctorate at Penn State, said the results suggest a simple way for people to boost their wellbeing throughout the day.

“It can be difficult to ask people to spend a lot of time doing moderate or vigorous activity by going to the gym or out for a run, especially if they feel stressed,” Yang said. “But if they don’t need to change their everyday behavior, and can instead try to change their state of mind by becoming more mindful, they can probably see this beneficial effect. You don’t need to exert a lot of extra effort in order to improve your wellbeing by being more mindful while you’re moving around.”

David Conroy, professor of kinesiology at Penn State, also said the findings — recently published in the journal Psychology of Sports and Exercise — could help people who are not able to engage in strenuous exercise.

“If someone is looking for a way to manage these kinds of feelings, it may be worth trying some sort of mindful movement,” Conroy said. “This option may be especially beneficial for people who don’t enjoy exercise and would prefer a less intense form of physical activity.”

According to the American College Health Association, more than half of college students experience anxiety, sadness or mental exhaustion at least once a year, suggesting a need for a simple way to reduce these negative states. Because students are often moving throughout their days, as they walk to class and go about other activities, the researchers wanted to see if there was a connection between mindfulness, movement and a reduction in negative states.

The researchers recruited 158 Penn State students for the study. For two weeks, a special mobile phone app, called Paco, randomly prompted the participants eight times a day to answer questions about their current activity and states of mind. The prompts included questions about where the participant was, if they were moving, and if they were stressed or anxious, as well as questions designed to assess mindfulness.

After analyzing the data, the researchers found that in the moments when participants were more mindful or active than usual, they showed reduced negative affect. They also found a possible synergistic effect when people were both mindful and active.

“When people were both more mindful and more active than usual, they seem to have this extra decrease in negative affect,” Yang said. “Being more active in a given moment is already going to reduce negative affect, but by also being more mindful than usual at the same time, you can see this amplified affect.”

Conroy said it was interesting to see patterns emerge within the individual participants, instead of just comparing people who are generally more mindful to people who are generally less mindful.

“Most studies in this area have focused on the differences between people who are more versus people who are less mindful, but we saw that college students often slipped in and out of mindful states during the day,” Conroy said. “Developing the ability to shift into these states of mindfulness as needed may be valuable for improving self-regulation and well-being.”

To better explore the causal role of mindfulness on lower negative states of being, Yang completed a second study, in which older adults who participated in an outdoor mindfulness activity then reported on their feelings of stress, anxiety and depression. Yang found that the mindful walking was associated with lower levels of these feelings.

The researchers said that in the future, studies that collect more objective data — like gathering information about physical activity by using accelerometers — and include more varied populations could be useful.

ABOUT THIS NEUROSCIENCE RESEARCH ARTICLE

Source: Katie Bohn – Penn State

Publisher: Organized by NeuroscienceNews.com.

Image Source: NeuroscienceNews.com image is in the public domain.

Original Research: Abstract for “Momentary negative affect is lower during mindful movement than while sitting: An experience sampling study” by Chih-Hsiang Yang, and David E. Conroy in Psychology of Sports and Exercise. Published May 9 2018.

doi:10.1016/j.psychsport.2018.05.003

Abstract

Momentary negative affect is lower during mindful movement than while sitting: An experience sampling study

Background

Movement-based behaviors and mindfulness can decrease many aspects of negative affect (e.g., stress, anxiety, depression). It is unclear whether mindfulness during waking movement-based behaviors (e.g., moving, standing, sitting) influences the associations between those movement-based behaviors and negative affect.

Objective

This study tested whether situational mindfulness moderated associations between (1) usual moving/standing behavior and negative affect, or (2) momentary moving/standing behavior and negative affect.

Design

A smartphone-based, 14-day experience sampling study was conducted to assess college students’ daily waking movement-based behaviors and subjective experiences.

Method

A multilevel model was estimated to predict momentary negative affect from a variety of predictors including the interaction between mindfulness and movement-based behaviors.

Results

Participants’ momentary negative affect was lower when moving (versus sitting) if they were more mindful than usual at that moment (b = 0.10, p < .001). People also reported less negative affect while moving (b = −0.70, p < .001) or standing (b = −0.51, p < .001) than sitting.

Conclusions

These results extend prior work by showing that mindfulness during movement-based behaviors is associated with less momentary negative affect. Integrating mindfulness practices with daily movement-based behaviors may lead to greater mental health benefits and this hypothesis should be tested in experimental research.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo