Passar um tempo na natureza reduz o estresse

10-2020


Fonte:

Neuroscience 26 de fevereiro de 2020

Passar apenas dez minutos em um ambiente natural pode ajudar as pessoas a se sentirem mais felizes e diminuir os efeitos do estresse físico e mental.

Fonte: Universidade de Cornell Novas pesquisas de uma equipe interdisciplinar de Cornell descobriram que apenas 10 minutos em um ambiente natural podem ajudar os estudantes a se sentirem mais felizes e diminuir os efeitos do estresse físico e mental. A pesquisa, publicada em 14 de janeiro na Frontiers in Psychology, faz parte de um exame mais amplo da “terapia da natureza” e visa fornecer uma dosagem facilmente alcançável que os médicos podem prescrever como medida preventiva contra altos níveis de estresse, ansiedade, depressão e outros problemas de saúde mental que os estudantes universitários enfrentam.

Não demorou muito tempo para os benefícios positivos surgirem - estamos conversando 10 minutos fora em um espaço com a natureza", disse o principal autor Gen Meredith, diretor associado do Programa de Saúde Pública e professor da Faculdade de Medicina Veterinária.


"Acreditamos firmemente que todo aluno, não importa qual disciplina ou quão alta sua carga de trabalho, tenha tanto tempo discricionário por dia, ou pelo menos algumas vezes por semana." Meredith e seus co-autores revisaram estudos que examinaram os efeitos da natureza em pessoas em idade universitária (com menos de 15 anos e com mais de 30 anos) para descobrir quanto tempo os alunos deveriam passar fora e o que deveriam fazer enquanto estavam há. Eles descobriram que 10 a 50 minutos em espaços naturais eram os mais eficazes para melhorar o humor, o foco e os marcadores fisiológicos, como pressão arterial e freqüência cardíaca. Para aproveitar os efeitos positivos de estar fora, os alunos precisam apenas estar sentados ou andando, as duas atividades principais que os pesquisadores examinaram em um esforço para fornecer recomendações acessíveis. A imagem está em domínio público. "Não é que haja um declínio após 50 minutos, mas sim que os benefícios psicológicos fisiológicos e auto-relatados tendem a se elevar depois disso", disse o co-autor Donald Rakow, professor associado da School of Integrative Plant Science. Para aproveitar os efeitos positivos de estar fora, os alunos precisam apenas estar sentados ou andando, as duas atividades principais que os pesquisadores examinaram em um esforço para fornecer recomendações acessíveis. "Queríamos manter esse acesso à natureza o mais simples e possível possível", diz Rakow. "Embora haja muita literatura sobre programas ao ar livre mais longos, queríamos quantificar doses em minutos, não em dias".


Para os estudantes de Cornell, há várias opções para fugir para a natureza. Para universidades urbanas, a pesquisa sugere que adicionar elementos verdes a um espaço construído pode produzir os mesmos resultados. É o tempo gasto na natureza, não necessariamente a própria natureza, que é benéfico. "Esta é uma oportunidade para desafiar nosso pensamento sobre o que a natureza pode ser", diz Meredith. "É realmente tudo ao nosso redor: árvores, um plantador de flores, um quadra gramada ou uma área arborizada." O ímpeto para este trabalho é um movimento em direção à prescrição do tempo na natureza, como forma de prevenir ou melhorar o estresse e a ansiedade, além de apoiar os resultados da saúde física e mental. Os pesquisadores queriam considerar qual "dose" precisaria ser prescrita para estudantes em idade universitária para mostrar um efeito. Eles esperam que, quando aplicado nas universidades, faça parte da rotina do aluno e seja consumido em doses regulares, como uma pílula. "A prescrição de uma dose pode legitimar a recomendação do médico e fornecer um objetivo tangível", diz Meredith. "É diferente do que apenas dizer: 'Vá lá para fora'. Há algo específico que um aluno pode ter como objetivo". Os co-autores de Meredith e Rakow incluem Erin Eldermire, bibliotecária-chefe da Biblioteca Veterinária Flower-Sprecher; Cecelia Madsen '12, M.P.H. '19; Steven Shelley, M.P.H. 19, epidemiologista do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Maine; e Naomi Sachs, professora assistente da Universidade de Maryland.

SOBRE ESTE ARTIGO DE PESQUISA EM NEUROCIÊNCIA Fonte: Universidade de Cornell Contatos de mídia: Gillian Smith - Universidade de Cornell Fonte da imagem: A imagem está em domínio público. Pesquisa original: Acesso aberto “Dose mínima de tempo na natureza para impactar positivamente a saúde mental de estudantes universitários e como medi-la: uma revisão do escopo”. Genevive R. Meredith et al.Fronteiras em Psicologia doi: 10.3389 / fpsyg.2019.02942.


Abstrato Dose mínima de tempo na natureza para impactar positivamente a saúde mental de estudantes universitários e como medi-la: uma revisão do escopo Antecedentes: nos EUA, estudantes de faculdades e universidades apresentam altos níveis de estresse, ansiedade, depressão e outros problemas de saúde mental. Embora aconselhamento, medicamentos e, em casos mais graves, hospitalização sejam todos tratamentos adequados para essas condições, um conjunto crescente de evidências demonstrou que passar algum tempo na natureza pode proporcionar benefícios tangíveis para a saúde mental e o bem-estar. O objetivo deste estudo foi definir uma "dose" de tempo na natureza que poderia ser prescrita para estudantes em idade universitária, como uma intervenção preventiva e de apoio à saúde mental e ao bem-estar. Os objetivos específicos desta revisão de escopo foram: definir a quantidade mínima de tempo na natureza que resulta em um impacto positivo na saúde mental e no bem-estar de estudantes em idade universitária; descrever os tipos de envolvimento com a natureza que provocaram o impacto; e descrever e explorar a medida de efeito mais comumente usada antes e depois da hora na natureza. Métodos: Esta revisão do escopo foi realizada seguindo a Lista de verificação PRISMA-ScR. Um protocolo de revisão foi desenvolvido, mas não registrado. Foram pesquisadas 14 bases de dados bibliográficas e todos os resultados foram examinados às cegas, utilizando os critérios de inclusão estabelecidos. Todos os títulos e resumos foram selecionados por pelo menos dois revisores, um terceiro sendo usado como desempate, se necessário.


Os estudos foram incluídos se: os indivíduos tivessem idade média de faculdade; eles examinaram um tratamento de tempo (horas ou minutos) na natureza; eles examinaram mudanças nas medidas de saúde mental e bem-estar pré e pós-exposição; eles compararam os participantes em pelo menos dois ambientes; o estudo foi publicado em inglês ou francês; e se o estudo tivesse idade inferior a 20 anos.


Resultados: Inicialmente, 11.799 títulos foram identificados e, uma vez desduplicados, 10.917 títulos foram selecionados. Cento e cinquenta e cinco artigos receberam revisões de texto completo, dos quais 14 estudos foram incluídos nesta revisão.


Em resumo, 13 dos 14 trabalhos observaram explicitamente que os participantes eram estudantes universitários. Dois terços dos estudos (n = 10) foram realizados no Japão. Um estudo foi realizado na Suécia e os demais foram realizados nos Estados Unidos (n = 3).


Esses estudos mostram que, quando contrastados com durações iguais gastas em ambientes urbanizados, apenas 10 minutos de sentar ou andar em uma variedade de ambientes naturais impactaram significativamente e positivamente os marcadores psicológicos e fisiológicos definidos de bem-estar mental para indivíduos em idade universitária .


Dentro dos estudos incluídos, 22 medidas diferentes foram usadas para avaliar os efeitos das doses da natureza na saúde mental e no bem-estar. Conclusões: Esta revisão fornece evidências da dose e do tipo de atividade para programas que buscam usar o tempo na natureza como uma medida preventiva para o estresse e problemas de saúde mental, além de demonstrar oportunidades em seis focos específicos para mais pesquisas nessa área.


------------


English Version


26 feb 2020

neuroscience

Spending time in nature reduces stress

Summary: Spending as little as ten minutes in a natural setting can help people feel happier and decrease the effects of both physical and mental stress.

Source: Cornell University

New research from an interdisciplinary Cornell team has found that as little as 10 minutes in a natural setting can help college students feel happier and lessen the effects of both physical and mental stress.

The research, published Jan. 14 in Frontiers in Psychology, is part of a larger examination of “nature therapy” and aims to provide an easily-achievable dosage that physicians can prescribe as a preventive measure against high levels of stress, anxiety, depression and other mental health issues college students face. “It doesn’t take much time for the positive benefits to kick in — we’re talking 10 minutes outside in a space with nature,” said lead author Gen Meredith, associate director of the Master of Public Health Program and lecturer at the College of Veterinary Medicine. “We firmly believe that every student, no matter what subject or how high their workload, has that much discretionary time each day, or at least a few times per week.” Meredith and her co-authors reviewed studies that examined the effects of nature on people of college age (no younger than 15, no older than 30) to discover how much time students should be spending outside and what they should be doing while they’re there. They found that 10-50 minutes in natural spaces was the most effective to improve mood, focus and physiological markers like blood pressure and heart rate. To enjoy the positive effects of being outside, students need only to be sitting or walking, the two primary activities the researchers examined in an effort to provide accessible recommendations. The image is in the public domain. “It’s not that there’s a decline after 50 minutes, but rather that the physiological and self-reported psychological benefits tend to plateau after that,” said co-author Donald Rakow, associate professor in the School of Integrative Plant Science.

To enjoy the positive effects of being outside, students need only to be sitting or walking, the two primary activities the researchers examined in an effort to provide accessible recommendations.

“We wanted to keep this access to nature as simple and achievable as possible,” says Rakow. “While there is a lot of literature on longer outdoor programs, we wanted to quantify doses in minutes, not days.”

For Cornell students, there are a multitude of options for escaping into nature. For urban universities, research suggests that adding green elements to a built space can produce the same results. It is the time spent in nature, not necessarily nature itself, that’s beneficial. “This is an opportunity to challenge our thinking around what nature can be,” says Meredith. “It is really all around us: trees, a planter with flowers, a grassy quad or a wooded area.”

The impetus for this work is a movement toward prescribing time in nature as a way to prevent or improve stress and anxiety, while also supporting physical and mental health outcomes. The researchers wanted to consider what “dose” would need to be prescribed to college-age students to show an effect. They are hoping that when it’s applied at universities, it becomes part of a student’s routine and is consumed in regular doses, like a pill.

“Prescribing a dose can legitimize the physician’s recommendation and give a tangible goal” says Meredith. “It’s different than just saying: ‘Go outside.’ There is something specific that a student can aim for.” Meredith and Rakow’s co-authors include Erin Eldermire, head librarian at the Flower-Sprecher Veterinary Library; Cecelia Madsen ’12, M.P.H. ’19; Steven Shelley, M.P.H. ’19, epidemiologist at the Maine Center for Disease Control and Prevention; and Naomi Sachs, assistant professor at the University of Maryland.

ABOUT THIS NEUROSCIENCE RESEARCH ARTICLE Source: Cornell University Media Contacts: Gillian Smith – Cornell University Image Source: The image is in the public domain. Original Research: Open access “Minimum Time Dose in Nature to Positively Impact the Mental Health of College-Aged Students, and How to Measure It: A Scoping Review”. Genevive R. Meredith et al. Frontiers in Psychology doi:10.3389/fpsyg.2019.02942.

Abstract Minimum Time Dose in Nature to Positively Impact the Mental Health of College-Aged Students, and How to Measure It: A Scoping Review Background: Across the U.S., college and university students exhibit high levels of stress, anxiety, depression, and other mental health issues. While counseling, medications and, in more severe cases, hospitalization are all appropriate treatments for such conditions, an increasing body of evidence has demonstrated that spending time in nature can provide tangible benefits for mental health and well-being. The aim of this study was to define a “dose” of time in nature that could be prescribed to college-age students, as a preventative and supportive mental health and well-being intervention. The specific objectives of this scoping review were thus: to define the minimum amount of time in nature that results in positive impact on mental health and well-being for college-aged students; to describe the types of engagement with nature that elicited the impact; and to describe and explore the most commonly used measure of effect pre- and post-time in nature.

Methods: This scoping review was conducted following the PRISMA-ScR Checklist. A review protocol was developed but not registered. Fourteen bibliographic databases were searched and all results were blindly screened using established inclusion criteria. All titles and abstracts were screened by at least two reviewers, a third being used as a tie-breaker if needed. Studies were included if: subjects were of average college age; they examined a treatment of time (hours or minutes) in nature; they examined change in measures of mental health and well-being pre- and post-exposure; they compared participants across at least two environments; the study was published in English or French; and if the study was <20 years old.


Results: Initially, 11,799 titles were identified and once de-duplicated, 10,917 titles were screened. One hundred fifty-five papers were given full text reviews, of which 14 studies were included in this review. In summary, 13 of the 14 papers explicitly noted that the participants were college students. Two-thirds of the studies (n = 10) took place in Japan. One study took place in Sweden, and the remaining studies took place in the United States (n = 3). These studies show that, when contrasted with equal durations spent in urbanized settings, as little as 10 min of sitting or walking in a diverse array of natural settings significantly and positively impacted defined psychological and physiological markers of mental well-being for college-aged individuals. Within the included studies, 22 different measures were used to assess the effects of nature doses on mental health and well-being.

Conclusions: This review provides time-dose and activity-type evidence for programs looking to use time in nature as a preventative measure for stress and mental health strain, and also demonstrates opportunities in six specific foci for more research in this area.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo