top of page

Respiração focada no coração e percepções de sobrecarga em cuidadores de Alzheimer

77-2022

Fonte: Science Direct


Cuidadores informais de pacientes com doença de Alzheimer(AD) muitas vezes experimentam alto estresse e redução do bem-estar e qualidade de vida. A técnica Heart Lock-In® da HeartMath demonstrou reduzir o estresse.


Em um estudo piloto controlado randomizado entre dez cuidadores informais de DA, examinamos um protocolo de respiração com foco no coração (n = 5) de duas semanas e dez minutos por dia, entregue pela Internet (n = 5) em comparação com o controle da lista de espera (n = 5). Os participantes completaram autoavaliações pré e pós da percepção de sobrecarga do cuidador, estresse, qualidade de vida, ansiedade, autocompaixão e variabilidade da frequência cardíaca (VFC). A qualidade de vida melhorou significativamente no grupo controle em comparação com a intervenção, enquanto a autocompaixão e a VFC tenderam para a direção esperada. A sobrecarga e a ansiedade do cuidador pioraram na intervenção versus controle da lista de espera, sugerindo a percepção de estresse adicional relacionado à nova tarefa diária necessária.


Introdução

Nos Estados Unidos, existem mais de 16 milhões de cuidadores informais para pessoas com doença de Alzheimer. 1 A doença de Alzheimer (DA), a causa mais comum de demência em idosos, é um distúrbio cerebral progressivo e irreversível que afeta 5,6 milhões de americanos. 2 Essa forma de demência é caracterizada pela formação de placas e perda de conectividade das células nervosas, o que leva a déficits de memória e cognitivos que pioram com o tempo. 1A gravidade dos comprometimentos cognitivos torna necessário que o paciente com DA em estágio intermediário a terminal tenha supervisão e assistência 24 horas por dia. Devido a razões culturais, religiosas ou financeiras, uma família ou indivíduo pode optar por não receber um ente querido com DA, assumindo o papel de cuidador informal.


Os cuidadores informais são muitas vezes cônjuges, parentes, parceiros ou amigos que vivem e não remunerados que ajudam nas atividades de vida diária (AVD) de um ente querido. 1 Em decorrência dos muitos aspectos envolvidos no cuidado de uma pessoa com DA, muitos cuidadores informais vivenciam a “sobrecarga do cuidador”. A sobrecarga do cuidador é definida como a “resposta multidimensional a estressores fisiológicos, emocionais, sociais e financeiros associados à experiência de cuidar”. 3 As exigentes responsabilidades físicas, emocionais e financeiras de cuidar de uma pessoa com DA podem ser prejudiciais à saúde do cuidador. Muitos cuidadores de DA relatam altos níveis de estresse e ansiedade, baixa qualidade de vida, aumento do risco de doenças crônicas, depressão maior e morte prematura. 4A má saúde do cuidador com DA é importante para reconhecer e corrigir não apenas para o bem-estar do cuidador, mas também porque pode comprometer sua capacidade de prestar cuidados de qualidade adequados ao paciente com DA. 4 Além disso, os cuidadores com sobrecarga significativa e problemas de saúde são mais propensos a procurar cuidados domiciliares para seus entes queridos. 5


Muitos fatores demonstraram afetar o nível percebido de sobrecarga do cuidador. Muitas vezes, a sobrecarga é percebida como maior quando o paciente com DA tem um nível mais baixo de função cognitiva e, portanto, requer mais horas de cuidados. 6 Por exemplo, um paciente com DA grave exigiria cuidados 24 horas por dia devido à incapacidade de se comunicar, controlar o movimento e orientar-se ao seu redor. 1 Além disso, pacientes com DA em estágio avançado podem apresentar sintomas neuropsiquiátricos aumentados, como agitação ou irritabilidade, o que pode potencializar a ocorrência de comportamento abusivo do cuidador em relação ao paciente. 7


A respiração focada no coração, uma prática introduzida pelo HeartMath Institute®, é uma técnica de autorregulação que envolve a respiração lenta e profunda, enquanto o foco é direcionado para a área do peito e auto-induzindo emoções e pensamentos positivos. 8 Essa prática ensina um indivíduo a reprogramar e alterar sua experiência emocional ao longo do tempo, modificando sua atenção para vincular sua respiração a emoções rejuvenescedoras (como sentimentos de amor, gratidão e apreciação 9 ), o que pode permitir uma mentalidade mais otimista quando enfrentando situações difíceis. 10A respiração com foco no coração tem um impacto no sistema nervoso autônomo, evidenciado por uma mudança em direção aos ritmos de variabilidade da frequência cardíaca associados à diminuição do estresse, aumento da resiliência e diminuição da pressão arterial. 10 , 11 Os protocolos do HeartMath Institute® para respiração com foco no coração, juntamente com a regulação do estado emocional, permitem que os indivíduos alterem esses ritmos cardíacos a curto e longo prazo. 9 Simplificando, alterar os estados perceptivos e emocionais de um indivíduo com técnicas de respiração focadas no coração pode impactar positivamente a fisiologia do coração.


A variabilidade da frequência cardíaca (VFC) mede a mudança nos intervalos de tempo entre os batimentos cardíacos. 12 Em vez de bater de forma constante como um metrônomo, idealmente, o coração mostra flutuações nos intervalos de tempo entre as batidas. Essa variabilidade representa um coração funcional mais adaptável e flexível que pode se adaptar a vários níveis de estresse e geralmente é preditivo de saúde geral e longevidade. 13 Considera-se que a VFC representa o equilíbrio nos ramos simpáticos e parassimpáticos do sistema nervoso autônomo (SNA) do corpo e pode melhorar em resposta a intervenções que reduzem o estresse, especialmente se o estresse crônico começou a afetar a VFC 14


Os parâmetros de VFC conhecidos por estarem relacionados ao estresse e ao grau de regulação emocional incluem rMSSD (um cálculo da raiz quadrada média de diferenças sucessivas entre batimentos cardíacos normais que define a quantidade de variação nos intervalos entre batimentos 13 ) e parâmetros de domínio de potência de alta e baixa frequência ( indicando ritmos das alterações do intervalo de batimentos cardíacos derivadas da análise espectral de potência). A medida de rMSSD pode ser afetada por fatores internos e externos, incluindo idade, patologia fisiológica e/ou psicológica, hormônios, atividade física, consumo de drogas/álcool e estresse. 15 Aumentos nos padrões de baixa frequência (BF) e alta frequência (HF) têm sido rotineiramente associados ao equilíbrio do SNA 16 , 17em que maior potência de HF está associada à ativação parassimpática, maior estabilidade emocional e resiliência, e LF se inclina para a ativação simpática (embora a frequência respiratória possa confundir essa interpretação se as avaliações forem feitas durante a prática intencional de respiração lenta e profunda.


A regulação emocional associada a uma maior potência de rMSSD e HF pode ser um estado desejável para os cuidadores atenderem melhor às necessidades do receptor de cuidados. 11Considerando os altos níveis de estresse relatados pelos cuidadores com DA, no entanto, é muito provável que essa população apresente uma VFC mais baixa, refletindo seu alto nível de estresse. A introdução de intervenções destinadas a diminuir a resposta ao estresse do SNA e melhorar a VFC pode fornecer uma ferramenta valiosa para o cuidador. O objetivo principal deste estudo piloto foi testar as tendências nos efeitos de uma intervenção online de respiração focada no coração de duas semanas usando a técnica Heart Lock-In® do HeartMath no resultado primário da sobrecarga percebida do cuidador em uma população de cuidadores de DA. Os desfechos secundários incluíram medidas de VFC: rMSSD, LF e HF VFC, e também medidas de auto-relato de estresse percebido, qualidade de vida, ansiedade e autocompaixão.


Este estudo controlado randomizado utilizou um projeto de pré-teste pós-teste com um grupo de controle de lista de espera para testar as tendências nos efeitos de uma intervenção respiratória online diária com foco no coração de duas semanas sobre o resultado primário de sobrecarga percebida do cuidador e resultados secundários de VFC, estresse percebido , qualidade de vida, ansiedade e autocompaixão. Todos os materiais e procedimentos do estudo foram aprovados pelo Conselho de Revisão Institucional da Universidade Estadual do Arizona (STUDY00009353).


Características do participante

Foram incluídos na análise dos dados demográficos 19 cuidadores com DA (Tabela 1). A maioria dos cuidadores com DA do estudo era do sexo feminino (73,7%). A média de idade do cuidador foi de 60,3 anos (DP = 7,4). A maioria dos participantes do estudo era branca (89,5%) e não hispânica ou latina (89,5%). Além disso, mais da metade dos participantes tinha ensino superior completo (52,6%).

A maioria dos cuidadores incluídos no estudo identificou como cônjuge da pessoa com DA (63,2%).


Discussão

O objetivo deste estudo piloto controlado randomizado foi examinar as tendências nos efeitos de uma intervenção online de respiração focada no coração de duas semanas em vários resultados em uma população de cuidadores informais de DA. Esses resultados incluíram sobrecarga do cuidador percebida, estresse percebido, qualidade de vida, ansiedade, autocompaixão e VFC. Foi inicialmente hipotetizado que a intervenção de respiração focada no coração reduziria significativamente o resultado primário da sobrecarga percebida do cuidador.


Conclusão

Os resultados desta intervenção on-line de respiração focada no coração de duas semanas não apoiaram a hipótese de que a sobrecarga percebida do cuidador diminuiria em uma população de cuidadores informais de DA. Além disso, a intervenção não produziu melhorias no estresse percebido, ansiedade ou VFC de potência HF. No entanto, os resultados do estudo sugerem tendências positivas na qualidade de vida, autocompaixão, rMSSD e LF power HRV entre os cuidadores com DA. Embora os resultados deste estudo sejam limitados pela intervenção


Este trabalho foi apoiado por Barrett, o Honors College, da Arizona State University


Referências (29)

Explorar

(2010)

Fatos e números da doença de Alzheimer

Demência de Alzheimer

(2019)

Folha de dados da doença de Alzheimer. Instituto Nacional do Envelhecimento....

L Etters et ai. Sobrecarga do cuidador entre cuidadores de pacientes com demência: uma revisão da literatura

Prática de enfermagem J Am Acad

(2007)

A Hazan et ai. Percepções do cuidador sobre a mensuração do nível e qualidade do cuidado na doença de Alzheimer

Enfermeiras do BMC

(2015)

K Yaffe et ai. Características do paciente e cuidador e colocação em casa de repouso em pacientes com demência

J Am Med Assoc

(2002)

H Yu et ai. Mensurando a sobrecarga do cuidador ao cuidar de pessoas residentes na comunidade com doença de Alzheimer

PLoS Um

(2015)

G Livingston et ai. Eficácia clínica de um programa de estratégia de enfrentamento baseado em manual (START, STrAtegies for RelaTives) na promoção da saúde mental de cuidadores de familiares com demência: um ensaio controlado randomizado pragmático

BMJ

(2013)

R McCraty et ai. Coerência cardíaca, autorregulação, estabilidade autonômica e bem-estar psicossocial

Psicol frontal

(2014)

—-

em ingles


Heart-focused breathing and perceptions of burden in Alzheimer's caregivers: An online randomized controlled pilot study

Abstract

Informal caregivers of patients with Alzheimer's disease (AD) often experience high stress and reduced wellbeing and quality of life. HeartMath's Heart Lock-In® technique has been shown to reduce stress. In a randomized controlled pilot study among ten informal AD caregivers, we examined a two-week ten-minute daily, internet delivered heart-focused breathing protocol (n = 5) compared to waitlist control (n = 5). Participants completed pre- and post- self-assessments of perceived caregiver burden, stress, quality of life, anxiety, self-compassion and heart rate variability (HRV). Quality of life improved significantly in the control group compared to intervention, while self-compassion and HRV trended towards the expected direction. Caregiver burden and anxiety worsened in the intervention vs. waitlist control, suggesting the perception of added stress related to the required new daily task. While heart-focused breathing may hold promise for improving aspects of the caregiving experience, exploring online delivery methods and schedules that do not add extra burden is needed.

Introduction

In the United States, there are over 16 million informal caregivers for persons with Alzheimer's disease.1 Alzheimer's disease (AD), the most common cause of dementia in older adults, is a progressive and irreversible brain disorder that affects 5.6 million Americans.2 This form of dementia is characterized by plaque formation and nerve cell connectivity loss, which leads to memory and cognitive deficits that worsen over time.1 The severity of the cognitive impairments render it necessary that the middle to end-stage AD patient has 24-hour supervision and assistance. Due to cultural, religious, or financial reasons, a family or individual may opt out of nursing home placement for their loved one with AD, therefore taking on the informal caregiver role themselves.

Informal caregivers are often live-in and unpaid spouses, relatives, partners, or friends that help with a loved one's activities of daily living (ADL).1 As a result of the many aspects involved in caring for a person with AD, many informal caregivers experience “caregiver burden.” Caregiver burden is defined as the “multidimensional response to physiological, emotional, social, and financial stressors associated with the caregiving experience”.3 The demanding physical, emotional, and financial responsibilities to care for a person with AD can be detrimental to a caregiver's health. Many AD caregivers report high levels of stress and anxiety, low quality of life, increased risk for chronic disease, major depression, and premature death.4 Poor AD caregiver health is important to recognize and correct not only for caregiver well-being but also because it can compromise his or her capacity to provide adequate quality of care to the AD patient.4 Additionally, caregivers experiencing significant burden and poor health are more likely to seek nursing home care for their loved one.5

Many factors have been shown to affect a caregiver's perceived level of burden. Oftentimes, burden is perceived to be higher when the AD patient has a lower level of cognitive function and thus requires more hours of care.6 For example, a patient with severe AD would require round-the-clock care due to the inability to communicate, control movement, and orient themselves to their surroundings.1 Additionally, late-stage AD patients may have increased neuropsychiatric symptoms, such as agitation or irritability, which can potentiate the occurrence of abusive behavior by the caregiver towards the patient.7

Heart-focused breathing, a practice introduced by the HeartMath Institute®, is a self-regulation technique that involves slow, deep breathing while shifting one's focus to the chest area and self-inducing positive emotions and thoughts.8 This practice teaches an individual how to reprogram and alter their emotional experience over time by modifying their attention to link their breathing with rejuvenating emotions (such as feelings of love, gratitude, and appreciation9), which may allow for a more optimistic mindset when facing difficult situations.10 Heart-focused breathing has an impact on the autonomic nervous system, evidenced by a shift toward heart rate variability rhythms associated with decreased stress, increased resilience, and decreased blood pressure.10,11 The HeartMath Institute® protocols for heart-focused breathing along with regulation of emotional state allow individuals to alter these heart rhythms in the short term and longer term.9 Simply put, altering an individual's perceptual and emotional states with heart-focused breathing techniques can positively impact the physiology of the heart.

Heart rate variability (HRV) measures the change in time intervals between heartbeats.12 Instead of beating steadily like a metronome, ideally, the heart shows fluctuations in the time intervals between beats. This variability represents a more adaptive and flexible functioning heart that can adapt to varying levels of stress and is generally predictive of overall health and longevity.13 HRV is considered to represent balance in the body's sympathetic and parasympathetic branches of the autonomic nervous system (ANS) and may improve in response to interventions that reduce stress, especially if chronic stress has begun to affect HRV14

HRV parameters known to be related to stress and degree of emotional regulation include rMSSD (a computation of root mean square of successive differences between normal heartbeats that defines the amount of variation in interbeat intervals13), and power domain parameters of high and low frequency (indicating rhythms of the heartbeat interval changes derived from power spectral analysis). The measure of rMSSD may be affected by internal and external factors including age, physiological and/or psychological pathology, hormones, physical activity, drug/alcohol consumption, and stress.15 Increases in low frequency (LF) and high frequency (HF) patterns have been routinely linked to ANS balance16,17 wherein greater HF power is associated with parasympathetic activation, greater emotional stability and resiliency, and LF leans toward sympathetic activation (although respiratory rate may confound that interpretation if assessments are taken during intentional slow deep breathing practice.

Emotional regulation associated with higher rMSSD and HF power may be a desireable state for caregives to better meet the needs of the care recipient.11 Considering the high levels of stress reported by AD caregivers, however, it is very likely that this population would exhibit poorer HRV reflecting their high level of stress. Introducing interventions designed to lessen the stress response of the ANS, and improve HRV, could provide a valuable tool for the caregiver. The primary purpose of this pilot study was to test the trends in effects of a two-week online heart-focused breathing intervention using HeartMath's Heart Lock-In® technique on the primary outcome of perceived caregiver burden in a population of AD caregivers. Secondary outcomes included HRV measures: rMSSD, LF and HF HRV, and also self-report measures of perceived stress, quality of life, anxiety, and self-compassion.

Section snippets

Design

This randomized controlled trial utilized a pretest posttest design with a wait list control group to test the trends in effects of a two-week, daily online heart-focused breathing intervention on the primary outcome of perceived caregiver burden and secondary outcomes of HRV, perceived stress, quality of life, anxiety, and self-compassion. All study materials and procedures were approved by the Arizona State University Institutional Review Board (STUDY00009353).

Sample & Setting

This pilot study aimed to

Participant Characteristics

There were 19 AD caregivers included in the demographic data analysis (Table 1). The majority of AD caregivers in the study were female (73.7%). The mean caregiver age was 60.3 years (SD = 7.4). Most study participants were white (89.5%) and non-Hispanic or Latino (89.5%). Additionally, more than half of the participants had completed university level education (52.6%).

The majority of caregivers included in the study identified as the spouse of the person with AD (63.2%). Participants varied

Discussion

The aim of this randomized controlled pilot study was to examine trends in effects of a two-week online heart-focused breathing intervention on several outcomes in a population of informal AD caregivers. These outcomes included perceived caregiver burden, perceived stress, quality of life, anxiety, self-compassion, and HRV. It was initially hypothesized that the heart-focused breathing intervention would significantly reduce the primary outcome of perceived caregiver burden. Additionally, it

Conclusion

The results of this two-week online heart-focused breathing intervention did not support the hypothesis that perceived caregiver burden would decrease in a population of informal AD caregivers. Additionally, the intervention did not yield improvements on perceived stress, anxiety, or HF power HRV. However, the study results suggest positive trends in quality of life, self-compassion, rMSSD, and LF power HRV among the AD caregivers. Although the results of this study are limited by intervention

Declaration of Competing Interest

None.

Acknowledgements

This work was supported by Barrett, the Honors College, at Arizona State University, Tempe, AZ.

References (29)

Explore

(2010)

Alzheimer's disease facts and figures

Alzheimer's Dement

(2019)

Alzheimer's disease fact sheet. National Institute on Aging....

L Etters et al. Caregiver burden among dementia patient caregivers: a review of the literature

J Am Acad Nurse Pract

(2007)

A Hazzan et al. Caregiver perceptions regarding the measurement of level and quality of care in Alzheimer's disease

BMC Nurs

(2015)

K Yaffe et al. Patient and caregiver characteristics and nursing home placement in patients with dementia

J Am Med Assoc

(2002)

H Yu et al. Measuring the caregiver burden of caring for community-residing people with Alzheimer's disease

PLoS One

(2015)

G Livingston et al. Clinical effectiveness of a manual based coping strategy programme (START, STrAtegies for RelaTives) in promoting the mental health of carers of family members with dementia: a pragmatic randomised controlled trial

BMJ

(2013)

R McCraty et al. Cardiac coherence, self-regulation, autonomic stability, and psychosocial well-being

Front Psychol

(2014)




8 visualizações0 comentário
bottom of page