Pesquisa: Corações que recebem percurssões (vibrações) juntos batem juntos

Atualizado: 8 de mar. de 2021

14-2020

Resumo: tocar bateria ou tambores, em um grupo estimula a sincronização comportamental e fisiológica, o que contribui para a formação de laços sociais e a capacidade de cooperar.


Tambores em grupo estimulam a sincronização comportamental e fisiológica, o que contribui para a formação de laços sociais e a capacidade de cooperar. Fonte: Universidade Bar-Ilan




Fonte Jornal Neuroscience em 21 de março de 2020. Fonte: Universidade Bar-Ilan

O trabalho em grupo e a cooperação são cruciais na vida cotidiana. Como tal, é importante explorar as vias pelas quais a sincronia dentro de um grupo pode melhorar a coesão e influenciar o desempenho. Que papel a música pode desempenhar nesse esforço? Em um estudo interdisciplinar publicado hoje na revista Scientific Reports, os pesquisadores relatam sua descoberta de que, enquanto tocam juntos, aspectos da função cardíaca dos membros do grupo - especificamente o intervalo de tempo entre batimentos individuais (IBI) - são sincronizados. Essa sincronização fisiológica foi gravada durante uma nova tarefa de percussão musical que foi especialmente desenvolvida para o estudo em uma colaboração entre neurocientistas sociais e acadêmicos do Departamento de Música da Universidade Bar-Ilan de Israel.


A bateria envolveu 51 grupos de três participantes nos quais os dados do IBI foram coletados continuamente. Foi solicitado aos participantes que combinassem sua bateria - em blocos individuais de bateria dentro de uma bateria eletrônica compartilhada pelo grupo - com um ritmo que foi apresentado ao grupo por meio de alto-falantes. Para metade dos grupos, o tempo era estável e previsível e, portanto, a bateria resultante e sua saída foram projetadas para serem síncronas. Na outra metade, o andamento mudou constantemente e era praticamente impossível de acompanhar, de modo que a bateria e a saída musical resultantes seriam assíncronas. A tarefa permitiu aos pesquisadores manipular o nível de sincronização comportamental na percussão entre os membros do grupo e avaliar a dinâmica das mudanças no IBI para cada participante durante o experimento. Após essa tarefa estruturada de tocar bateria, os participantes foram convidados a improvisar bateria juntos. Os grupos com alta sincronia fisiológica na tarefa estruturada mostraram maior coordenação no percussão na sessão de improvisação livre. A análise dos dados demonstrou que a tarefa de percussão provocou o surgimento de sincronização fisiológica em grupos além do que poderia ser esperado aleatoriamente. Além disso, a sincronização comportamental e a sincronização fisiológica aprimorada ao tocar cada uma delas prediz exclusivamente uma experiência intensificada de coesão do grupo. Finalmente, os pesquisadores mostraram que uma sincronia fisiológica mais alta também prevê um melhor desempenho do grupo posteriormente em uma tarefa de grupo diferente. a sincronização fisiológica foi registrada durante uma nova tarefa de percussão musical que foi especialmente desenvolvida para o estudo em uma colaboração entre neurocientistas sociais e acadêmicos do Departamento de Música da Universidade Bar-Ilan de Israel. A imagem é de domínio público. "Nossos resultados apresentam um relato comportamental e fisiológico multimodal de como a sincronização contribui para a formação do vínculo do grupo e sua conseqüente capacidade de cooperar", diz o Dr. Ilanit Gordon, chefe do Laboratório de Neurociências Sociais do Departamento de Ciências da Universidade Bar-Ilan. Psicologia e pesquisadora sênior do Centro Multidisciplinar de Pesquisa em Cérebro da Universidade Gonda (Goldschmied), que liderou o estudo em conjunto com o Prof. Avi Gilboa e Dr. Shai Cohen, do Departamento de Música. "Uma manipulação na sincronia comportamental e uma coordenação fisiológica emergente no IBI entre os membros do grupo prevê um maior senso de coesão entre os membros do grupo".


"Acreditamos que a criação conjunta de música constitui uma plataforma experimental promissora para a implementação de cenários ecológicos e totalmente interativos que capturam a riqueza e a complexidade da interação social humana", diz o professor Gilboa, do Departamento de Música, co-autor do estudo. "Esses resultados são particularmente significativos devido à importância crucial dos grupos para ação, identidade e mudança social em nosso mundo". Financiamento: Este estudo foi financiado por uma bolsa da Israel Science Foundation. Traduzido por Maria Eugênia Anjos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


English Version: Hearts that drum together beat together Neuroscience, 21 de março de 2020 Source: Bar-Ilan University Summary: Drumming in a group stimulates behavioral and physiological synchronization, which contributes to the formation of social bonds and the ability to cooperate. Source: Bar-Ilan University

Group work and cooperation are crucial in everyday life. As such, it is important to explore the avenues by which synchrony within a group may enhance cohesion and influence performance.

What role can music play in this effort? In an interdisciplinary study published today in the journal Scientific Reports researchers report their discovery that while drumming together, aspects of group members’ heart function – specifically the time interval between individual beats (IBI) — synchronized.

This physiological synchronization was recorded during a novel musical drumming task that was specially developed for the study in a collaboration between social-neuroscientists and scholars from the Music Department at Israel’s Bar-Ilan University.

The drumming involved 51 three-participant groups in which IBI data were continuously collected. Participants were asked to match their drumming — on individual drumming pads within an electronic drum set shared by the group — to a tempo that was presented to the group through speakers. For half of the groups, the tempo was steady and predictable, and thus, the resulting drumming and its output were intended to be synchronous. For the other half, the tempo changed constantly and was practically impossible to follow, so that the resulting drumming and musical output would be asynchronous. The task enabled the researchers to manipulate the level of behavioral synchronization in drumming between group members and assess the dynamics of changes in IBI for each participant throughout the experiment.

Following this structured drumming task, participants were asked to improvise drumming freely together. The groups with high physiological synchrony in the structured task showed more coordination in drumming in the free improvisation session.

Analysis of the data demonstrated that the drumming task elicited an emergence of physiological synchronization in groups beyond what could be expected randomly. Further, behavioral synchronization and enhanced physiological synchronization while drumming each uniquely predicts a heightened experience of group cohesion. Finally, the researchers showed that higher physiological synchrony also predicts enhanced group performance later on in a different group task.

physiological synchronization was recorded during a novel musical drumming task that was especially developed for the study in a collaboration between social-neuroscientists and scholars from the Music Department at Israel’s Bar-Ilan University. Image is in the public domain.“Our results present a multi-modal behavioral and physiological account of how synchronization contributes to the formation of the group bond and its consequent ability to cooperate,” says Dr. Ilanit Gordon, head of the Social Neuroscience Lab at Bar-Ilan University’s Department of Psychology and a senior researcher at the University’s Gonda (Goldschmied) Multidisciplinary Brain Research Center, who led the study together with Prof. Avi Gilboa and Dr. Shai Cohen, of the Department of Music. “A manipulation in behavioral synchrony and emerging physiological coordination in IBI between group members predicts an enhanced sense of cohesion among group members.”

“We believe that joint music making constitutes a promising experimental platform for implementing ecological and fully interactive scenarios that capture the richness and complexity of human social interaction,” says Prof. Gilboa, of the Department of Music, who co-authored the study. “These results are particularly significant due to the crucial importance of groups to action, identity and social change in our world.”

Funding: This study was supported by a grant from the Israel Science Foundation.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo