Perda do olfato associada a curso clínico mais leve e menos hospitalizações no COVID-19

Atualizado: 8 de mar. de 2021

23-2020


Fonte:

Neuroscience 27 de abril de 2020



Os pacientes com COVID-19 que relataram perda de olfato como sintoma de sua infecção têm dez vezes menos chances de serem hospitalizados por coronavírus do que aqueles que não relatam anosmia.


Fonte: UCSD


Após um estudo anterior que validou a perda de olfato e paladar como indicadores da infecção por SARS-CoV-2, pesquisadores da UC San Diego Health relatam em descobertas recentemente publicadas que o comprometimento olfativo sugere que a doença COVID-19 resultante tem mais probabilidade de ser leve a moderada. moderado, um potencial indicador precoce que poderia ajudar os profissionais de saúde a determinar quais pacientes podem necessitar de hospitalização.


As descobertas foram publicadas on-line em 24 de abril de 2020 na revista International Forum of Allergy & Rhinology.


"Um dos desafios imediatos para os profissionais de saúde é determinar como tratar melhor as pessoas infectadas pelo novo coronavírus", disse a primeira autora Carol Yan, MD, rinologista e cirurgião de cabeça e pescoço da UC San Diego Health. “Se eles apresentarem sintomas leves ou inexistentes, eles podem voltar para casa em quarentena ou provavelmente precisarão de hospitalização? Essas são questões cruciais para os hospitais que tentam alocar recursos médicos finitos de maneira eficiente e eficaz. ”


O último estudo de Yan, realizado com os colegas Farhoud Faraji, MD, PhD; Benjamin T. Ostrander, MD, e Adam S. DeConde, MD, todos médicos do Departamento de Cirurgia da UC San Diego Health, e Divya P. Prajapati, estudante da Faculdade de Medicina da UC San Diego, sugere que a perda do olfato pode ser preditivo de um curso clínico mais leve do COVID-19.


"A normosmia ou o olfato normal é um preditor independente de admissão nos casos COVID-19", disse Yan. “Em pesquisas anteriores, descobrimos que a perda da função olfativa é um sintoma precoce comum, após febre e fadiga.




O que é notável nas novas descobertas é que parece que a perda do olfato pode ser um preditor de que uma infecção por SARS-CoV-2 não será tão grave e menos provável de exigir hospitalização. Se uma pessoa infectada perde esse sentido, parece mais provável que ela sofra sintomas mais leves, exceto outros fatores de risco subjacentes. ”


Esses fatores de risco relatados anteriormente por outros estudos incluem a idade (os idosos têm maior risco de doenças graves) e condições médicas subjacentes, como doença pulmonar crônica, problemas cardíacos graves, diabetes e obesidade.


O estudo mais recente dos pesquisadores foi uma análise retrospectiva entre 3 de março e 8 de abril deste ano e incluiu 169 pacientes que apresentaram resultado positivo para COVID-19 na UC San Diego Health. Dados olfativos e gustativos foram obtidos para 128 dos 169 pacientes; 26 dos quais necessitaram de hospitalização.


Os pacientes que foram hospitalizados para tratamento com COVID-19 tiveram uma probabilidade significativamente menor de relatar anosmia ou perda de olfato (26,9% em comparação com 66,7% em pessoas infectadas com COVID-19 tratadas em ambulatório). Porcentagens semelhantes foram encontradas para a perda do paladar, conhecida como disgeusia.


"Os pacientes que relataram perda de olfato tiveram uma probabilidade 10 vezes menor de serem admitidos para COVID-19 em comparação com aqueles sem perda de olfato", disse o autor sênior DeConde, também rinologista e cirurgião de cabeça e pescoço. "Além disso, anosmia não foi associado a nenhuma outra medida tipicamente relacionada à decisão de admitir, sugerindo que é realmente um fator independente e pode servir como um marcador para manifestações mais leves do Covid-19".


Os pesquisadores disseram que os resultados sugerem algumas das características fisiopatológicas da infecção. "O local e a dosagem da carga viral inicial, juntamente com a eficácia da resposta imune do hospedeiro, são todas variáveis ​​potencialmente importantes na determinação da propagação do vírus em uma pessoa e, finalmente, no curso clínico da infecção", disse DeConde .





Esses fatores de risco relatados anteriormente por outros estudos incluem a idade (os idosos têm maior risco de doenças graves) e condições médicas subjacentes, como doença pulmonar crônica, problemas cardíacos graves, diabetes e obesidade. A imagem é de domínio público.


Em outras palavras, se o vírus SARS-CoV-2 se concentrar inicialmente no nariz e nas vias aéreas superiores, onde afeta a função olfativa, isso pode resultar em uma infecção menos grave e súbita no início, diminuindo o risco de sobrecarregar o sistema imunológico do hospedeiro. resposta, insuficiência respiratória e hospitalização.


"Essa é uma hipótese, mas também é semelhante ao conceito subjacente às vacinas vivas", disse DeConde. "Em baixa dosagem e em um local distante de inoculação, o hospedeiro pode gerar uma resposta imune sem infecção grave".


A perda do olfato, disse ele, também pode indicar uma resposta imune robusta que foi localizada nas passagens nasais, limitando os efeitos em outras partes do corpo.


Os pesquisadores observaram que seu estudo era limitado em escopo e por sua natureza: confiar na autorrelato de anosmia e em uma maior chance de viés de recordação entre os pacientes após o diagnóstico de COVID-19 e de pacientes com doença respiratória mais grave que necessitem de hospitalização pode não ser tão provável que reconheça ou lembre-se da perda de olfato.


Estudos adicionais e mais expansivos são necessários para validação, disseram eles, mas que os resultados têm importantes aplicações práticas imediatas para os sistemas de saúde e os pacientes.




Sobre este artigo de pesquisa sobre coronavírus:


Fonte:

UCSD

Contatos de mídia:

Scott LaFee - UCSD

Fonte da imagem:

A imagem está em domínio público.


Pesquisa original: Acesso fechado

"A perda olfativa autorreferida associa-se ao curso clínico ambulatorial em Covid-19". por Carol H. Yan MD, Farhoud Faraji MD, PhD, Divya P. Prajapati BS, Benjamin T. Ostrander MD, Adam S. DeConde MD.

Fórum Internacional de Alergia e Rinologiadoi: 10.1002 / alr.22592


Resumo

A perda olfativa autorreferida associa-se ao curso clínico ambulatorial em Covid ‐ 19


Fundo

A rápida disseminação do vírus SARS-CoV-2 deixou muitos sistemas de saúde em todo o mundo sobrecarregados, forçando a triagem de escassos recursos médicos. A identificação de indicadores de admissão hospitalar para pacientes Covid ‐ 19 no início do curso da doença pode ajudar na alocação eficiente de intervenções médicas. O comprometimento olfativo autorreferido foi recentemente reconhecido como uma marca registrada da Covid ‐ 19 e pode ser um importante preditor de resultado clínico.


Métodos

Uma revisão retrospectiva de todos os pacientes que apresentaram um sistema do Hospital San Diego com infecção por Covid ‐ 19 positiva confirmada por laboratório foi realizada com avaliação da função olfativa e gustativa e curso clínico da doença. Regressão logística univariável e multivariável foi realizada para identificar fatores de risco para internação hospitalar e anosmia.


Resultados

Um total de 169 pacientes apresentou resultado positivo para a doença de Covid ‐ 19 entre 3 de março e 8 de abril de 2020. Dados olfativos e gustativos foram obtidos para 128/169 (75,7%) indivíduos, dos quais 26/128 (20,1%) necessitaram de hospitalização. A admissão no Covid ‐ 19 foi associada ao sentido intacto do olfato e paladar, aumento da idade, diabetes, bem como parâmetros subjetivos e objetivos associados à insuficiência respiratória. Na análise ajustada, a anosmia esteve fortemente e independentemente associada ao atendimento ambulatorial (aOR 0,09 IC95%: 0,01‐0,74) enquanto os achados positivos de infiltrados pulmonares e / ou derrame pleural na radiografia de tórax (aOR 8,01 IC95%: 1,12‐57,49) foram fortemente e independentemente associados à admissão.


Conclusões

A normosmia é um preditor independente de admissão nos casos Covid ‐ 19. A perda de cheiro no Covid ‐ 19 pode associar-se a um curso clínico mais leve.



Traduzido por Maria Eugênia Anjos


-----


English Version:


Loss of smell associated with milder clinical course and less hospitalizations in COVID-19


Summary: COVID-19 patients who reported smell loss as a symptom of their infection are ten times less likely to be hospitalized for coronavirus than those who do not report anosmia.

Source: UCSD

Following an earlier study that validated the loss of smell and taste as indicators of SARS-CoV-2 infection, researchers at UC San Diego Health report in newly published findings that olfactory impairment suggests the resulting COVID-19 disease is more likely to be mild to moderate, a potential early indicator that could help health care providers determine which patients may require hospitalization.

The findings were published online April 24, 2020 in the journal International Forum of Allergy & Rhinology.

“One of the immediate challenges for health care providers is to determine how to best treat persons infected by the novel coronavirus,” said first author Carol Yan, MD, a rhinologist and head and neck surgeon at UC San Diego Health. “If they display no or mild symptoms, can they return home to self-quarantine or will they likely require hospitalization? These are crucial questions for hospitals trying to efficiently and effectively allocate finite medical resources.”

Yan’s latest study, conducted with colleagues Farhoud Faraji, MD, PhD; Benjamin T. Ostrander, MD, and Adam S. DeConde, MD, all physicians in the Department of Surgery at UC San Diego Health, and Divya P. Prajapati, a student in the UC San Diego School of Medicine, suggests loss of smell may be predictive of a milder clinical course of COVID-19.

“Normosmia or the normal sense of smell is an independent predictor of admission in COVID-19 cases,” said Yan. “In previous research, we found that loss of olfactory function is a common early symptom, following fever and fatigue.

“What’s notable in the new findings is that it appears that loss of smell may be a predictor that a SARS-CoV-2 infection will not be as severe, and less likely to require hospitalization. If an infected person loses that sense, it seems more likely they will experience milder symptoms, barring other underlying risk factors.”

Those risk factors previously reported by other studies, include age (older persons are more at-risk for severe illness) and underlying medical conditions, such as chronic lung disease, serious heart conditions, diabetes and obesity.

The researchers’ latest study was a retrospective analysis between March 3 and April 8 of this year and included 169 patients who tested positive for COVID-19 at UC San Diego Health. Olfactory and gustatory data were obtained for 128 of the 169 patients; 26 of whom required hospitalization.

Patients who were hospitalized for COVID-19 treatment were significantly less likely to report anosmia or loss of smell (26.9 percent compared to 66.7 percent for COVID-19-infected persons treated as outpatients). Similar percentages were found for loss of taste, known as dysgeusia.

“Patients who reported loss of smell were 10 times less likely to be admitted for COVID-19 compared to those without loss of smell,” said senior author DeConde, also a rhinologist and head and neck surgeon. “Moreover, anosmia was not associated with any other measures typically related to the decision to admit, suggesting that it’s truly an independent factor and may serve as a marker for milder manifestations of Covid-19.”

The researchers said that the findings possibly hint at some of the pathophysiological characteristics of the infection. “The site and dosage of the initial viral burden, along with the effectiveness of the host immune response, are all potentially important variables in determining the spread of the virus within a person and, ultimately, the clinical course of the infection,” said DeConde.


In other words, if the SARS-CoV-2 virus initially concentrates in the nose and upper airway, where it impacts olfactory function, that may result in an infection that is less severe and sudden in onset, decreasing the risk of overwhelming the host immune response, respiratory failure and hospitalization.

“This is a hypothesis, but it’s also similar to the concept underlying live vaccinations,” DeConde said. “At low dosage and at a distant site of inoculation, the host can generate an immune response without severe infection.”

Loss of smell, he said, might also indicate a robust immune response which has been localized to the nasal passages, limiting effects elsewhere in the body.

The researchers noted their study was limited in scope and by its nature: relying upon self-reporting of anosmia and a greater chance of recall bias among patients once they had been diagnosed with COVID-19, and that patients with more severe respiratory disease requiring hospitalization may not be as likely to recognize or recall the loss of smell.

Additional, more expansive studies are needed for validation, they said, but that the findings have important immediate practical applications for health care systems and patients.

About this coronavirus research article

Source:

UCSD

Media Contacts:

Scott LaFee – UCSD

Image Source:

The image is in the public domain.

Original Research: Closed access

“Self‐reported olfactory loss associates with outpatient clinical course in Covid‐19”. by Carol H. Yan MD, Farhoud Faraji MD, PhD, Divya P. Prajapati BS, Benjamin T. Ostrander MD, Adam S. DeConde MD.

International Forum of Allergy and Rhinology doi:10.1002/alr.22592

Abstract

Self‐reported olfactory loss associates with outpatient clinical course in Covid‐19

Background

Rapid spread of the SARS‐CoV‐2 virus has left many health systems around the world overwhelmed, forcing triaging of scarce medical resources. Identifying indicators of hospital admission for Covid‐19 patients early in the disease course could aid the efficient allocation of medical interventions. Self‐reported olfactory impairment has recently been recognized as a hallmark of Covid‐19 and may be an important predictor of clinical outcome.

Methods

A retrospective review of all patients presenting to a San Diego Hospital system with laboratory‐confirmed positive Covid‐19 infection was conducted with evaluation of olfactory and gustatory function and clinical disease course. Univariable and multivariable logistic regression were performed to identify risk factors for hospital admission and anosmia.

Results

A total of 169 patients tested positive for Covid‐19 disease between March 3 and April 8, 2020. Olfactory and gustatory data were obtained for 128/169 (75.7%) subjects of which 26/128 (20.1%) required hospitalization. Admission for Covid‐19 was associated with intact sense of smell and taste, increased age, diabetes, as well as subjective and objective parameters associated with respiratory failure. On adjusted analysis, anosmia was strongly and independently associated with outpatient care (aOR 0.09 95% CI: 0.01‐0.74) while positive findings of pulmonary infiltrates and/or pleural effusion on chest radiograph (aOR 8.01 95% CI: 1.12‐57.49) was strongly and independently associated with admission.

Conclusions

Normosmia is an independent predictor of admission in Covid‐19 cases. Smell loss in Covid‐19 may associate with a milder clinical course.


17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo