Padrões rítmicos da respiração impactam profundamente as recordações e o corpo emocional.

Atualizado: 8 de mar. de 2021

20-2020


Pesquisa da Universidade de Northwestern Feinberg Faculdade de Medicina em Chicago, Illinois.




Assim como o medo é um resultado de reagir aos eventos reais ou percebidos nas nossas vidas, ele é também uma função biológica do corpo humano e, quando equipado com uma compreensão de como o corpo controla o sistema emocional, podemos facilmente enganá-lo, enganando-nos em equilíbrio emocional.


Esta perspectiva é cientificamente validada por uma nova pesquisa da Universidade de Northwestern Feinberg Faculdade de Medicina em Chicago, Illinois, que descobriu como os vários padrões rítmicos da respiração impactam profundamente as recordações e o corpo emocional, especificamente a resposta ao medo.


O cérebro cria impulsos elétricos que ligam as funções físicas para as reações emocionais e a actividade eléctrica do cérebro é profundamente afetada pelos nossos padrões de respiração. O resultado desse equilíbrio é determinado se estamos ou não inspirando ou expirando, bem como se respiramos pelas narinas ou pela boca, visto que cada variável cria uma resposta elétrica diferente dentro do cérebro.


No estudo da Universidade Northwestern, os participantes viram imagens de expressões humanas, algumas assustadoras, enquanto iniciavam vários padrões de respiração. Os pesquisadores observaram que as pessoas processam mais facilmente o medo e, lembram-se de imagens com maior facilidade, enquanto inspiram através das narinas.



“Uma das principais descobertas neste estudo é que existe uma diferença notável na atividade cerebral da amígdala e do hipocampo durante a inspiração em comparação com a expiração.


Quando a pessoa respira, descobrimos que ela estimula os neurônios no córtex olfatório, amígdala e hipocampo e, em todo o sistema límbico.” Christina Zelano, professora assistente de neurologia na Universidade Northwestern da Escola de Medicina Feinberg e principal autora do estudo.


A amígdala é decisiva para o processamento das emoções, especialmente as relacionadas com o medo, enquanto o hipocampo está fortemente ligado a recordação e, a respiração, que se origina com o diafragma, desempenhando um papel crítico de regular a sua função.


As diferenças na atividade cerebral, que ocorrem durante os ritmos respiratórios, foram reconhecidas pela observação da atividade cerebral durante a introdução de rostos humanos, que mostravam medo ou surpresas, encontrando atividade distintamente aumentada durante a inspiração.


Pode ser vantajoso conhecer estes resultados, e perceber que a reação do medo pode ser atenuada.


Podemos potencialmente usar esse fato ao nosso favor. Por exemplo, estando num ambiente perigoso, com estímulos temerosos, os dados da pesquisa indicam que, podemos responder mais rapidamente se estivermos inspirando através das narinas.” Christina Zelano




Além disso, é validada a importância da meditação, que geralmente tem o foco no desenvolvimento do controle da respiração, a fim de acalmar a mente e normalizar a função fisiológica do corpo.


Os resultados ao longo prazo de uma prática de meditação dedicada, incluem reações emocionais mais estáveis, indicando novamente que a respiração é um componente crítico para viver em equilíbrio.


Este ponto de vista é apoiado por esta pesquisa, como foi observado por Zelano. “Quando inspiramos pelas narinas, estamos de certo modo, sincronizando as oscilações cerebrais através da rede límbica.” Christina Zelano


17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo