Insônia persistente e agravada pode prever depressão persistente em adultos mais velhos.

Atualizado: 8 de mar. de 2021

24-2020


Fonte: Neuroscience 30 de abril de 2020



As pessoas idosas que experimentam uma piora nos sintomas de insônia têm uma probabilidade trinta vezes maior de serem diagnosticadas com depressão maior do que aquelas cujos padrões de sono melhoraram.


Universidade Johns Hopkins Adultos mais velhos com depressão podem ter um risco muito maior de permanecer deprimidos se estiverem enfrentando problemas de sono persistentes ou agravados, de acordo com um estudo de pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg. Os pesquisadores, que publicaram suas descobertas on-line em 30 de abril na revista Sleep, analisaram dados de quase 600 pessoas com mais de 60 anos que visitaram centros de atenção primária no nordeste dos EUA. Todos os pacientes atenderam aos critérios clínicos de depressão maior ou menor no início do estudo. . Os pesquisadores descobriram que aqueles com um padrão de agravamento dos sintomas de insônia no ano seguinte tinham quase 30 vezes mais chances de ter um diagnóstico de depressão maior no final do ano, em comparação com pacientes cujo sono melhorou durante o ano. Os pacientes com insônia agravada também tinham muito mais probabilidade de ter um diagnóstico de depressão menor. Além disso, eles eram mais propensos a relatar ideação suicida no final do ano. Em comparação com os pacientes cujo sono melhorou, o estudo descobriu que aqueles com sintomas de insônia que persistiram, mas não pioraram, também tinham maior probabilidade de ter depressão maior ou menor persistente, mas seu risco não era tão alto quanto os pacientes com piora do sono. "Esses resultados sugerem que, entre adultos mais velhos com depressão, os sintomas da insônia oferecem uma pista importante para os riscos de depressão persistente e ideação suicida", diz o autor sênior do estudo, Adam Spira, PhD, professor do Departamento de Saúde Mental da Bloomberg School. O principal autor do estudo foi Joseph Gallo, MD, MPH, professor do Departamento de Saúde Mental da Bloomberg School.


O sono, ou a falta dele, há muito tempo é considerado um fator de risco potencial para transtornos do humor e mais recentemente foi estudado em relação ao pensamento suicida. Em um estudo anterior de idosos residentes em países de baixa e média renda, Spira, Gallo e colegas descobriram que os idosos que relatam sintomas de insônia e baixa qualidade do sono eram mais propensos a relatar pensamentos suicidas e que aqueles com sintomas de insônia eram maior probabilidade de relatar uma tentativa anterior de suicídio. Em sua nova análise, os pesquisadores examinaram dados de um estudo sobre sono e saúde mental realizado de maio de 1999 a agosto de 2001, cobrindo idosos em 20 centros de atenção primária na cidade de Nova York, Filadélfia e Pittsburgh. "Caso contrário, não houve muita pesquisa sobre insônia e depressão em adultos mais velhos nos cuidados primários - embora os cuidados primários sejam onde a maioria das pessoas com depressão é tratada", diz Spira. A análise abrangeu 599 pacientes do estudo, dos quais 429 (71,6 por cento) eram mulheres. No início do estudo, a idade média dos pacientes era de 70,3 anos, e dois terços atendiam aos critérios para depressão maior, enquanto o restante atendia aos critérios para depressão menor. Comparado a pacientes cujo sono melhorou, o estudo descobriu que aqueles com sintomas de insônia que persistiam, mas não pioravam, também tinham maior probabilidade de ter depressão maior ou menor persistente, mas seu risco não era tão alto quanto os pacientes com piora do sono. Os pesquisadores examinaram os relatos dos pacientes sobre sintomas de insônia - principalmente dificuldade em adormecer ou acordar sem dormir uma noite inteira - durante 12 meses, e os classificaram em três grupos com base em seus relatórios: 346 pacientes que começaram com menos problemas de sono e dormiram muito melhor até o final do estudo; 158 que começaram com mais problemas de sono e permaneceram iguais ou melhoraram apenas um pouco ao longo do ano; e 95 pacientes que no início tinham mais problemas de sono e pioraram ao longo do ano. A análise revelou que, em comparação com os pacientes cujo sono havia melhorado, aqueles com piora dos distúrbios do sono tinham 28,6 vezes mais chances de ter um diagnóstico de depressão maior no final do ano - em vez de não ter mais um diagnóstico de depressão. Os pacientes cujo sono piorou também tiveram 11,9 vezes mais chances de ter um diagnóstico de depressão menor no final do ano e 10% mais chances de relatar pensamentos suicidas no final do ano. "Não podemos dizer que os distúrbios do sono que estamos vendo estão necessariamente causando os maus resultados da depressão", diz Spira. “Mas os resultados sugerem que os idosos que estão sendo tratados para depressão e cujos problemas de sono são persistentes ou pioram, precisam de mais atenção clínica. Eles também sugerem que o tratamento dos problemas do sono deve ser mais explorado como um meio potencial para melhorar os resultados da depressão em idosos - bem como os maus resultados cognitivos e de saúde geral que foram associados ao distúrbio do sono nessa população. ”

Financiamento: O estudo foi financiado pelo Instituto Nacional de Saúde Mental (R01 MH065539) e pelo Instituto Nacional de Envelhecimento (R01 AG050507). Sobre este artigo de pesquisa em neurociência Fonte: Universidade Johns Hopkins Contatos de mídia: Barbara Benham - Universidade Johns Hopkins Pesquisa original: Acesso fechado "Papel da perturbação do sono persistente e agravada na remissão da depressão e ideação suicida entre pacientes idosos da atenção primária: o estudo PROSPECT". por Joseph J Gallo, Seungyoung Hwang, Christine Truong, Charles F. Reynolds, III, Adam P Spira. Dono do sono: 10.1093 / sleep / zsaa063 Resumo Papel do distúrbio do sono persistente e agravado na remissão da depressão e ideação suicida em pacientes idosos da atenção primária: o estudo PROSPECT Objetivos do Estudo Analisamos os dados de um estudo controlado randomizado baseado em prática em 20 clínicas de cuidados primários localizadas na cidade de Nova York, Filadélfia e Pittsburgh para determinar se os distúrbios persistentes ou agravantes do sono desempenham um papel nos resultados da depressão e da ideação suicida em 1 ano em idosos com depressão. Métodos A amostra do estudo consistiu em 599 adultos com 60 anos ou mais de idade, atendendo aos critérios de depressão maior ou depressão menor clinicamente significativa. A análise longitudinal via modelagem da mistura da curva de crescimento foi realizada para classificar os pacientes como tendo piora, persistência ou melhora do sono ao longo de 1 ano. Resultados No seguimento de 1 ano, em comparação com pacientes com melhora do sono, aqueles com piora do sono tinham maior probabilidade de ter um diagnóstico de depressão maior (odds ratio ajustada (aOR) = 28,60, intervalo de confiança de 95% (IC) 12,15 a 67,34) , um diagnóstico de depressão menor clinicamente significativa (aOR = 11,88, IC 95% 5,67 a 24,89) e ideação suicida (aOR = 1,10, 1,005 a 1,199) e tiveram metade da probabilidade de alcançar remissão (aOR = 0,52, IC 95% 0,46 a 0,57). Pacientes com distúrbio persistente do sono mostraram resultados semelhantes, mas atenuados. Conclusões Pacientes idosos com cuidados primários com depressão que apresentam piora ou distúrbio persistente do sono estavam em risco aumentado de depressão persistente e ideação suicida 1 ano depois. O padrão de distúrbios do sono ao longo do tempo pode ser um sinal importante para a exploração por médicos de atenção primária de depressão e ideação suicida entre idosos com depressão. Registro de Ensaio Clínico NCT00279682. 30 de abril de 2020 Traduzido por Maria Eugênia Anjos


------


English Version


Persistent and worsening insomnia may predict persistent depression in older adults

Summary: Older people who experience a worsening in insomnia symptoms are thirty times more likely to be diagnosed with major depression than those whose sleep patterns improved.


Source: Johns Hopkins University

Older adults with depression may be at much higher risk of remaining depressed if they are experiencing persistent or worsening sleep problems, according to a study from researchers at Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health.

The researchers, who published their findings online April 30 in the journal Sleep, analyzed data from almost 600 people over 60 years old who visited primary care centers in the Northeast U.S. All patients met clinical criteria for major or minor depression at the outset of the study.

The researchers found that those with a pattern of worsening insomnia symptoms over the following year had almost 30 times the odds of having a diagnosis of major depression at the end of that year, compared to patients whose sleep had improved during that year. The patients with worsening insomnia also were much more likely to have a diagnosis of minor depression. Additionally, they were more likely to report suicidal ideation at the end of the year.

Compared to patients whose sleep improved, the study found that those with insomnia symptoms that persisted but did not worsen also were more likely to have persistent major or minor depression, but their risk was not as high as patients with worsening sleep.

“These results suggest that, among older adults with depression, insomnia symptoms offer an important clue to their risks for persistent depression and suicidal ideation,” says study senior author Adam Spira, PhD, professor in the Department of Mental Health at the Bloomberg School. The study’s lead author was Joseph Gallo, MD, MPH, professor in the Bloomberg School’s Department of Mental Health.

Sleep, or lack thereof, has long been considered a potential risk factor for mood disorders, and has more recently been studied in relation to suicidal thinking. In an earlier study of older adults living in low- and middle-income countries, Spira, Gallo, and colleagues found that older adults reporting insomnia symptoms and poor sleep quality were more likely to report having suicidal thoughts, and that those with insomnia symptoms were more likely to report a prior suicide attempt.

In their new analysis, the researchers examined data from a sleep and mental health study conducted from May 1999 to August 2001, covering older adults at 20 primary care centers in New York City, Philadelphia, and Pittsburgh.

“There otherwise hasn’t been much research on insomnia and depression in older adults in primary care settings–even though primary care is where most people with depression are treated,” Spira says.

The analysis covered 599 study patients, of whom 429 (71.6 percent) were women. At the outset of the study, the patients’ average age was 70.3 years, and two-thirds met criteria for major depression, while the rest met criteria for minor depression.

ompared to patients whose sleep improved, the study found that those with insomnia symptoms that persisted but did not worsen also were more likely to have persistent major or minor depression, but their risk was not as high as patients with worsening sleep. Image is in the public domain.

The researchers examined the patients’ reports of insomnia symptoms–chiefly difficulty falling asleep or waking without a full night’s sleep–over 12 months, and sorted them into three groups based on their reports: 346 patients who started with fewer sleep problems and slept much better by the end of the study; 158 who started with more sleep problems and stayed the same or improved only slightly over the year; and 95 patients who at baseline had more sleep problems and worsened over the year.

The analysis revealed that, compared to the patients whose sleep had improved, those with worsening sleep disturbances had 28.6 times the odds of having a diagnosis of major depression at the end of the year–as opposed to no longer having a depression diagnosis.

The patients whose sleep worsened also had 11.9 times the odds of having a diagnosis of minor depression at the end of the year and were 10 percent more likely to report having suicidal thoughts at the end of the year.

“We can’t say that the sleep disturbances we’re seeing are necessarily causing the poor depression outcomes,” Spira says. “But the results suggest that older adults who are being treated for depression and whose sleep problems are persistent or worsening need further clinical attention. They also suggest that treating sleep problems should be explored further as a potential means to improve depression outcomes in older people–as well as the poor cognitive and general health outcomes that have been tied to disturbed sleep in this population.”

Funding: The study was supported by the National Institute of Mental Health (R01 MH065539) and the National Institute on Aging (R01 AG050507).

About this neuroscience research article

Source:

Johns Hopkins University

Media Contacts:

Barbara Benham – Johns Hopkins University

Image Source:

The image is in the public domain.

Original Research: Closed access

“Role of persistent and worsening sleep disturbance in depression remission and suicidal ideation among older primary care patients: the PROSPECT study”. by Joseph J Gallo, Seungyoung Hwang, Christine Truong, Charles F Reynolds, III, Adam P Spira.

Sleep doi:10.1093/sleep/zsaa063

Abstract

Role of persistent and worsening sleep disturbance in depression remission and suicidal ideation among older primary care patients: the PROSPECT study

Study Objectives

We analyzed data from a practice-based randomized controlled trial within 20 primary care practices located in greater New York City, Philadelphia, and Pittsburgh to determine whether persistent or worsening sleep disturbance plays a role in the outcomes of depression and suicidal ideation at 1 year in older adults with depression.

Methods

The study sample consisted of 599 adults aged 60 years and older meeting criteria for major depression or clinically significant minor depression. Longitudinal analysis via growth curve mixture modeling was carried out to classify patients as having worsening, persistent, or improving sleep over 1 year.

Results

At 1-year follow-up, compared with patients with improving sleep, those with worsening sleep were more likely to have a diagnosis of major depression (adjusted odds ratio (aOR) = 28.60, 95% confidence interval (CI) 12.15 to 67.34), a diagnosis of clinically significant minor depression (aOR = 11.88, 95% CI 5.67 to 24.89), and suicidal ideation (aOR = 1.10, 1.005 to 1.199), and were half as likely to achieve remission (aOR = 0.52, 95% CI 0.46 to 0.57). Patients with persistent sleep disturbance showed similar but attenuated results.

Conclusions

Older primary care patients with depression who exhibit worsening or persistent sleep disturbance were at increased risk for persistent depression and suicidal ideation 1 year later. The pattern of sleep disturbance over time may be an important signal for exploration by primary care physicians of depression and suicidal ideation among older adults with depression.

Clinical Trial Registration

NCT00279682.


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo