Especialistas analisam evidências de que a ioga é boa para o cérebro



56-2021


Neuroscience 12 Dezembro, 2019



O Yoga tem um efeito positivo na estrutura e função das principais áreas do cérebro associadas à memória. As descobertas fornecem evidências de que a ioga pode ser uma promessa na mitigação do declínio neurodegenerativo e relacionado à idade.


Fonte: Universidade de Illinois


Os cientistas sabem há décadas que o exercício aeróbico fortalece o cérebro e contribui para o crescimento de novos neurônios, mas poucos estudos examinaram como a ioga afeta o cérebro. Uma revisão da ciência encontrou evidências de que a ioga melhora muitas das mesmas estruturas e funções cerebrais que se beneficiam do exercício aeróbico.


A revisão, publicada na revista Brain Plasticity, enfocou 11 estudos sobre a relação entre a prática de ioga e a saúde do cérebro. Cinco dos estudos envolveram indivíduos sem experiência na prática de ioga em uma ou mais sessões de ioga por semana durante um período de 10-24 semanas, comparando a saúde do cérebro no início e no final da intervenção. Os outros estudos mediram as diferenças cerebrais entre indivíduos que praticam ioga regularmente e aqueles que não praticam.


Cada um dos estudos usou técnicas de imagem cerebral, como ressonância magnética, ressonância magnética funcional ou tomografia computadorizada de emissão de fóton único. Todos envolveram o Hatha Yoga, que inclui movimentos corporais, meditação e exercícios respiratórios.


“A partir desses 11 estudos, identificamos algumas regiões do cérebro que surgem de forma consistente e surpreendentemente não são muito diferentes do que vemos na pesquisa de exercícios”, disse Neha Gothe, professora de cinesiologia e saúde comunitária da University of Illinois, que liderou a pesquisa com Wayne Professora de psicologia da State University Jessica Damoiseaux.


“Por exemplo, vemos aumentos no volume do hipocampo com a prática de ioga”, disse Gothe. Muitos estudos que examinam os efeitos cerebrais dos exercícios aeróbicos mostraram um aumento semelhante no tamanho do hipocampo ao longo do tempo, disse ela.


O hipocampo está envolvido no processamento da memória e é conhecido por encolher com a idade, disse Gothe. “É também a estrutura que é afetada pela primeira vez na demência e na doença de Alzheimer.”


Embora muitos dos estudos sejam exploratórios e não conclusivos, a pesquisa aponta para outras mudanças importantes no cérebro associadas à prática regular de ioga, disse Damoiseaux. A amígdala, uma estrutura cerebral que contribui para a regulação emocional, tende a ser maior em praticantes de ioga do que em seus pares que não praticam ioga. O córtex pré-frontal, o córtex cingulado e as redes cerebrais, como a rede de modo padrão, também tendem a ser maiores ou mais eficientes em quem pratica ioga regularmente.


“O córtex pré-frontal, uma região do cérebro logo atrás da testa, é essencial para o planejamento, tomada de decisão, multitarefa, pensar sobre suas opções e escolher a opção certa”, disse Damoiseaux. “A rede de modo padrão é um conjunto de regiões do cérebro envolvidas no pensamento sobre si mesmo, planejamento e memória.”


Como a amígdala, o córtex cingulado faz parte do sistema límbico, um circuito de estruturas que desempenha um papel fundamental na regulação emocional, aprendizagem e memória, disse ela.



Uma revisão da ciência encontrou evidências de que a ioga melhora muitas das mesmas estruturas e funções cerebrais que se beneficiam do exercício aeróbico. A imagem é creditada a Neha Gothe.


Os estudos também descobriram que as mudanças cerebrais observadas em indivíduos que praticam ioga estão associadas a um melhor desempenho em testes cognitivos ou medidas de regulação emocional.


A descoberta de que a ioga pode ter efeitos semelhantes aos exercícios aeróbicos no cérebro é intrigante e merece mais estudos, disse Gothe.


“A ioga não é aeróbica por natureza, então deve haver outros mecanismos que levam a essas mudanças cerebrais”, disse ela. “Até agora, não temos evidências para identificar quais são esses mecanismos.”


Ela suspeita que melhorar a regulação emocional é a chave para os efeitos positivos da ioga no cérebro. Estudos associam o estresse em humanos e animais ao encolhimento do hipocampo e pior desempenho em testes de memória, por exemplo, disse ela.


“Em um de meus estudos anteriores, estávamos observando como a ioga muda a resposta ao estresse do cortisol”, disse Gothe. “Descobrimos que aqueles que fizeram ioga por oito semanas tiveram uma resposta atenuada de cortisol ao estresse, que foi associada a um melhor desempenho em testes de tomada de decisão, troca de tarefas e atenção”.


A ioga ajuda as pessoas com ou sem transtornos de ansiedade a controlar o estresse, disse Gothe.


“A prática de ioga ajuda a melhorar a regulação emocional para reduzir o estresse, ansiedade e depressão”, disse ela. “E isso parece melhorar o funcionamento do cérebro.”


Os pesquisadores dizem que há necessidade de mais - e mais rigorosas - pesquisas sobre os efeitos da ioga no cérebro. Eles recomendam grandes estudos de intervenção que envolvem os participantes em ioga por meses, combinam grupos de ioga com grupos de controle ativo e medem as mudanças no cérebro e no desempenho em testes cognitivos usando abordagens padrão que permitem comparações fáceis com outros tipos de exercício.


“A ciência aponta que a ioga é benéfica para o funcionamento saudável do cérebro, mas precisamos de estudos de intervenção mais rigorosos e bem controlados para confirmar essas descobertas iniciais”, disse Damoiseaux.


Gothe é afiliada do Instituto Beckman de Ciência e Tecnologia Avançada da U. de I. Damoiseaux é afiliada do Instituto de Gerontologia da WSU.


SOBRE ESTE ARTIGO DE PESQUISA EM NEUROSCIENCE

Fonte:

Universidade de Illinois

Contatos de mídia:

Neha Gothe - Universidade de Illinois

Fonte da imagem:

A imagem é creditada a Neha Gothe.


Pesquisa Original: Acesso aberto

“Efeitos do Yoga na Saúde do Cérebro: Uma Revisão Sistemática da Literatura Atual”. Neha Gothe et al.

Brain Plasticity doi: 10.3233 / BPL-190084.


Resumo

Efeitos do Yoga na Saúde do Cérebro: Uma Revisão Sistemática da Literatura Atual


Yoga é a abordagem complementar de saúde mais popular praticada por adultos nos Estados Unidos. É uma prática antiga da mente e do corpo com origens na filosofia indiana. O Yoga combina posturas físicas, respiração rítmica e exercícios meditativos para oferecer aos praticantes uma experiência holística mente-corpo única. Embora os benefícios do exercício físico para a saúde estejam bem estabelecidos, nos últimos anos, o componente de atenção ativa da prática de respiração e meditação tem atraído interesse entre os neurocientistas do exercício. À medida que as evidências científicas dos benefícios da ioga para a saúde física e mental continuam a crescer, este artigo tem como objetivo resumir o conhecimento atual da prática da ioga e seus efeitos positivos documentados para a estrutura e função do cérebro, avaliadas com ressonância magnética, ressonância magnética fMRI e SPECT. Revisamos 11 estudos que examinaram os efeitos da prática de ioga nas estruturas, funções e fluxo sanguíneo cerebral. Coletivamente, os estudos demonstram um efeito positivo da prática de ioga na estrutura e / ou função do hipocampo, amígdala, córtex pré-frontal, córtex cingulado e redes cerebrais, incluindo a rede de modo padrão (DMN). Os estudos oferecem evidências iniciais promissoras de que intervenções comportamentais como ioga podem ser promissoras para mitigar os declínios relacionados à idade e neurodegenerativos, já que muitas das regiões identificadas são conhecidas por demonstrar atrofia significativa relacionada à idade.



------


English Version


Experts review evidence yoga is good for the brain


December 12, 2019

Summary: Yoga has a positive effect on the structure and function of key brain areas associated with memory. Findings provide evidence that yoga may hold promise in mitigating age-related and neurodegenerative decline.

Source: University of Illinois

Scientists have known for decades that aerobic exercise strengthens the brain and contributes to the growth of new neurons, but few studies have examined how yoga affects the brain. A review of the science finds evidence that yoga enhances many of the same brain structures and functions that benefit from aerobic exercise.

The review, published in the journal Brain Plasticity, focused on 11 studies of the relationship between yoga practice and brain health. Five of the studies engaged individuals with no background in yoga practice in one or more yoga sessions per week over a period of 10-24 weeks, comparing brain health at the beginning and end of the intervention. The other studies measured brain differences between individuals who regularly practice yoga and those who don’t.

Each of the studies used brain-imaging techniques such as MRI, functional MRI or single-photon emission computerized tomography. All involved Hatha yoga, which includes body movements, meditation and breathing exercises.

“From these 11 studies, we identified some brain regions that consistently come up, and they are surprisingly not very different from what we see with exercise research,” said University of Illinois kinesiology and community health professor Neha Gothe, who led the research with Wayne State University psychology professor Jessica Damoiseaux.

“For example, we see increases in the volume of the hippocampus with yoga practice,” Gothe said. Many studies looking at the brain effects of aerobic exercise have shown a similar increase in hippocampus size over time, she said.

The hippocampus is involved in memory processing and is known to shrink with age, Gothe said. “It is also the structure that is first affected in dementia and Alzheimer’s disease.”

Though many of the studies are exploratory and not conclusive, the research points to other important brain changes associated with regular yoga practice, Damoiseaux said. The amygdala, a brain structure that contributes to emotional regulation, tends to be larger in yoga practitioners than in their peers who do not practice yoga. The prefrontal cortex, cingulate cortex and brain networks such as the default mode network also tend to be larger or more efficient in those who regularly practice yoga.

“The prefrontal cortex, a brain region just behind the forehead, is essential to planning, decision-making, multitasking, thinking about your options and picking the right option,” Damoiseaux said. “The default mode network is a set of brain regions involved in thinking about the self, planning and memory.”

Like the amygdala, the cingulate cortex is part of the limbic system, a circuit of structures that plays a key role in emotional regulation, learning and memory, she said.

The studies also find that the brain changes seen in individuals practicing yoga are associated with better performance on cognitive tests or measures of emotional regulation.

The discovery that yoga may have similar effects on the brain to aerobic exercise is intriguing and warrants more study, Gothe said.

“Yoga is not aerobic in nature, so there must be other mechanisms leading to these brain changes,” she said. “So far, we don’t have the evidence to identify what those mechanisms are.”

She suspects that enhancing emotional regulation is a key to yoga’s positive effects on the brain. Studies link stress in humans and animals to shrinkage of the hippocampus and poorer performance on tests of memory, for example, she said.

“In one of my previous studies, we were looking at how yoga changes the cortisol stress response,” Gothe said. “We found that those who had done yoga for eight weeks had an attenuated cortisol response to stress that was associated with better performance on tests of decision-making, task-switching and attention.”

Yoga helps people with or without anxiety disorders manage their stress, Gothe said.

“The practice of yoga helps improve emotional regulation to reduce stress, anxiety and depression,” she said. “And that seems to improve brain functioning.”


The researchers say there is a need for more – and more rigorous – research into yoga’s effects on the brain. They recommend large intervention studies that engage participants in yoga for months, match yoga groups with active control groups, and measure changes in the brain and performance on cognitive tests using standard approaches that allow for easy comparisons with other types of exercise.

“The science is pointing to yoga being beneficial for healthy brain function, but we need more rigorous and well-controlled intervention studies to confirm these initial findings,” Damoiseaux said.

Gothe is an affiliate of the Beckman Institute for Advanced Science and Technology at the U. of I. Damoiseaux is an affiliate of the Institute of Gerontology at WSU.

ABOUT THIS NEUROSCIENCE RESEARCH ARTICLE

Source:

University of Illinois

Media Contacts:

Neha Gothe – University of Illinois

Image Source:

The image is credited to Neha Gothe.

Original Research: Open access

“Yoga Effects on Brain Health: A Systematic Review of the Current Literature”. Neha Gothe et al.

Brain Plasticity doi:10.3233/BPL-190084.

Abstract

Yoga Effects on Brain Health: A Systematic Review of the Current Literature

Yoga is the most popular complementary health approach practiced by adults in the United States. It is an ancient mind and body practice with origins in Indian philosophy. Yoga combines physical postures, rhythmic breathing and meditative exercise to offer the practitioners a unique holistic mind-body experience. While the health benefits of physical exercise are well established, in recent years, the active attentional component of breathing and meditation practice has garnered interest among exercise neuroscientists. As the scientific evidence for the physical and mental health benefits of yoga continues to grow, this article aims to summarize the current knowledge of yoga practice and its documented positive effects for brain structure and function, as assessed with MRI, fMRI, and SPECT. We reviewed 11 studies examining the effects of yoga practice on the brain structures, function and cerebral blood flow. Collectively, the studies demonstrate a positive effect of yoga practice on the structure and/or function of the hippocampus, amygdala, prefrontal cortex, cingulate cortex and brain networks including the default mode network (DMN). The studies offer promising early evidence that behavioral interventions like yoga may hold promise to mitigate age-related and neurodegenerative declines as many of the regions identified are known to demonstrate significant age-related atrophy.




16 visualizações0 comentário