Dieta MIND pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver a doença de Alzheimer

Resumo: Estudos relatam que a dieta MIND pode ajudar a reduzir o risco de uma pessoa desenvolver a doença de Alzheimer e ajudar a manter a cognição em adultos mais velhos.


64-2021

Fonte: Neuroscience

Publicado em 21 de Setembro de 2021



Fonte: Rush University Medical Center

O envelhecimento afeta o corpo e a mente. Por exemplo, o tecido do envelhecimento do cérebro humano às vezes desenvolve aglomerados anormais de proteínas que são a marca registrada da doença de Alzheimer. Como você pode proteger seu cérebro desses efeitos?

Pesquisadores do Rush University Medical Center descobriram que adultos mais velhos podem se beneficiar de uma dieta específica chamada dieta MIND, mesmo quando desenvolvem esses depósitos de proteína, conhecidos como placas amilóides e emaranhados. Placas e emaranhados são uma patologia encontrada no cérebro que se acumulam entre as células nervosas e normalmente interferem nas habilidades de pensamento e resolução de problemas.

Desenvolvido pela falecida Martha Clare Morris, ScD, que era uma epidemiologista nutricional do Rush, e seus colegas, a dieta MIND é um híbrido das dietas mediterrânea e DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension). Estudos de pesquisas anteriores descobriram que a dieta MIND pode reduzir o risco de uma pessoa desenvolver a demência da doença de Alzheimer.

Agora, um estudo mostrou que os participantes do estudo que seguiram a dieta MIND moderadamente mais tarde na vida não tiveram problemas de cognição, de acordo com um artigo publicado no Journal of Alzheimer’s Disease.

"Algumas pessoas têm placas e emaranhados suficientes em seus cérebros para ter um diagnóstico post mortem da doença de Alzheimer, mas não desenvolvem demência clínica durante a vida", disse Klodian Dhana, MD, Ph.D., principal autor do artigo e um professor assistente na Divisão de Geriatria e Medicina Paliativa do Departamento de Medicina Interna do Rush Medical College.

“Alguns têm a capacidade de manter a função cognitiva, apesar do acúmulo dessas patologias no cérebro, e nosso estudo sugere que a dieta MIND está associada a melhores funções cognitivas, independentemente de patologias cerebrais relacionadas à doença de Alzheimer.



A dieta MIND tem 15 componentes dietéticos, incluindo 10 “grupos de alimentos saudáveis para o cérebro” e cinco grupos não saudáveis - carne vermelha, manteiga e margarina em barra, queijo, doces e tortas e frituras ou fast food. A imagem é de domínio público

Neste estudo, os pesquisadores examinaram as associações de dieta - desde o início do estudo até a morte - patologias cerebrais e funcionamento cognitivo em adultos mais velhos que participaram do Projeto de Envelhecimento e Memória em andamento do Rush Alzheimer's Disease Center, que começou em 1997 e inclui pessoas morando na grande Chicago. Os participantes eram em sua maioria brancos sem demência conhecida, e todos concordaram em se submeter a avaliações clínicas anuais enquanto vivos e autópsia cerebral após sua morte.

Usando as respostas do questionário, os pesquisadores deram a cada participante uma pontuação da dieta MIND com base na frequência com que os participantes comeram alimentos específicos. A dieta MIND tem 15 componentes dietéticos, incluindo 10 “grupos de alimentos saudáveis para o cérebro” e cinco grupos não saudáveis - carne vermelha, manteiga e margarina em barra, queijo, doces e tortas e frituras ou fast food.

Para aderir e se beneficiar da dieta MIND, uma pessoa precisaria comer pelo menos três porções de grãos inteiros, um vegetal de folhas verdes e um outro vegetal todos os dias - junto com uma taça de vinho - lanche quase todos os dias com nozes e feijão dia sim, dia não, coma aves e frutas vermelhas pelo menos duas vezes por semana e peixes pelo menos uma vez por semana. A pessoa também deve limitar a ingestão de alimentos não saudáveis designados, limitando a manteiga a menos de 1 1/2 colher de chá por dia e comendo menos de uma porção por semana de doces e tortas, queijo gordo integral e frituras ou fast food.

Com base na frequência de ingestão relatada para os grupos de alimentos saudáveis e não saudáveis, os pesquisadores calcularam a pontuação da dieta MIND para cada participante durante o período do estudo. Uma média da pontuação da dieta MIND desde o início do estudo até a morte do participante foi usada na análise para limitar o erro de medição. Sete medidas de sensibilidade foram calculadas para confirmar a precisão dos resultados.

“Descobrimos que uma pontuação mais alta na dieta MIND estava associada a melhores habilidades de memória e raciocínio, independentemente da patologia da doença de Alzheimer e de outras patologias cerebrais comuns relacionadas à idade. A dieta parecia ter uma capacidade protetora e pode contribuir para a resiliência cognitiva em idosos. ” Disse Dhana.

Mudanças na dieta podem afetar o funcionamento cognitivo e o risco de demência, para melhor ou para pior ”, continuou ele. “Existem mudanças bastante simples na dieta e no estilo de vida que uma pessoa pode fazer que podem ajudar a desacelerar o declínio cognitivo com o envelhecimento e contribuir para a saúde do cérebro”.

Sobre estas notícias de pesquisa sobre dieta e cognição

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Rush University Medical Center

Contato: Assessoria de Imprensa - Rush University Medical Center

Imagem: a imagem é de domínio público

Pesquisa original: as descobertas aparecerão no Journal of Alzheimer’s Disease

Os pesquisadores acompanharam 569 participantes, que foram convidados a completar avaliações anuais e testes cognitivos para ver se haviam desenvolvido problemas de memória e pensamento. A partir de 2004, os participantes receberam um questionário de frequência sobre a frequência com que comeram 144 itens alimentares no ano anterior.


---


English Version


MIND Diet Linked to Better Cognitive Performance

FeaturedNeuroscience

·September 21, 2021

Summary: Study reports the MIND diet may help reduce a person’s risk of developing Alzheimer’s disease and help maintain cognition in older adults.

Source: Rush University Medical Center

Aging takes a toll on the body and on the mind. For example, the tissue of aging human brains sometimes develops abnormal clumps of proteins that are the hallmark of Alzheimer’s disease. How can you protect your brain from these effects?

Researchers at Rush University Medical Center have found that older adults may benefit from a specific diet called the MIND diet even when they develop these protein deposits, known as amyloid plaques and tangles. Plaques and tangles are a pathology found in the brain that build up in between nerve cells and typically interfere with thinking and problem-solving skills.

Developed by the late Martha Clare Morris, ScD, who was a Rush nutritional epidemiologist, and her colleagues, the MIND diet is a hybrid of the Mediterranean and DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension) diets. Previous research studies have found that the MIND diet may reduce a person’s risk of developing Alzheimer’s disease dementia.

Now a study has shown that participants in the study who followed the MIND diet moderately later in life did not have cognition problems, according to a paper published in the Journal of Alzheimer’s Disease.

“Some people have enough plaques and tangles in their brains to have a postmortem diagnosis of Alzheimer’s disease, but they do not develop clinical dementia in their lifetime,” said Klodian Dhana, MD, Ph.D., lead author of the paper and an assistant professor in the Division of Geriatrics and Palliative Medicine in the Department of Internal Medicine at Rush Medical College .

“Some have the ability to maintain cognitive function despite the accumulation of these pathologies in the brain, and our study suggests that the MIND diet is associated with better cognitive functions independently of brain pathologies related to Alzheimer’s disease.

In this study, the researchers examined the associations of diet—from the start of the study until death—brain pathologies and cognitive functioning in older adults who participated in the Rush Alzheimer’s Disease Center’s ongoing Memory and Aging Project, which began in 1997 and includes people living in greater Chicago. The participants were mostly white without known dementia, and all of them agreed to undergo annual clinical evaluations while alive and brain autopsy after their death.

Using the questionnaire answers, the researchers gave each participant a MIND diet score based on how often the participants ate specific foods. The MIND diet has 15 dietary components, including 10 “brain-healthy food groups” and five unhealthy groups—red meat, butter and stick margarine, cheese, pastries and sweets, and fried or fast food.

To adhere to and benefit from the MIND diet, a person would need to eat at least three servings of whole grains, a green leafy vegetable and one other vegetable every day—along with a glass of wine—snack most days on nuts, have beans every other day or so, eat poultry and berries at least twice a week and fish at least once a week. A person also must limit intake of the designated unhealthy foods, limiting butter to less than 1 1/2 teaspoons a day and eating less than a serving a week of sweets and pastries, whole fat cheese, and fried or fast food.

Based on the frequency of intake reported for the healthy and unhealthy food groups, the researchers calculated the MIND diet score for each participant across the study period. An average of the MIND diet score from the start of the study until the participant’s death was used in the analysis to limit measurement error. Seven sensitivity measures were calculated to confirm accuracy of the findings.

“We found that a higher MIND diet score was associated with better memory and thinking skills independently of Alzheimer’s disease pathology and other common age-related brain pathologies. The diet seemed to have a protective capacity and may contribute to cognitive resilience in the elderly.” Dhana said.

Diet changes can impact cognitive functioning and risk of dementia, for better or worse,” he continued. “There are fairly simple diet and lifestyle changes a person could make that may help to slow cognitive decline with aging, and contribute to brain health.”

About this diet and cognition research news

Author: Press Office

Source: Rush University Medical Center

Contact: Press Office – Rush University Medical Center

Image: The image is in the public domain

Original Research: The findings will appear in Journal of Alzheimer’s Disease

The researchers followed 569 participants, who were asked to complete annual evaluations and cognitive tests to see if they had developed memory and thinking problems. Beginning in 2004, participants were given an annual food frequency questionnaire about how often they ate 144 food items in previous year.



10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo