Faça uma aula de ioga e a depressão e a ansiedade melhorarão

Atualizado: 18 de mar. de 2021



55-2021

Fonte: Neuroscience / 13 de novembro de 2019


A intervenção do Yoga reduz os sintomas de depressão e ansiedade enquanto aumenta a sensação de positividade.


Fonte: Escola de Medicina da Universidade de Boston


Estudos científicos já apóiam a prática de ioga como meio de reduzir os sintomas de depressão e ansiedade. Agora, um novo estudo da Escola de Medicina da Universidade de Boston (BUSM) fornece evidências de que ioga e exercícios respiratórios podem melhorar os sintomas de depressão e ansiedade em curto prazo - com cada sessão, bem como cumulativamente em longo prazo, ao longo de três meses.


Publicadas online no Journal of Psychiatric Practice, essas descobertas sugerem que a ioga pode ser um tratamento complementar útil para a depressão clínica ou transtorno depressivo maior.


Um grupo de 30 pacientes clinicamente deprimidos foi dividido aleatoriamente em dois grupos. Ambos os grupos se engajaram em lyengar yoga e respiração coerente, com a única diferença sendo o número de sessões de instrução e em casa em que cada grupo participou. Ao longo de três meses, o grupo de alta dose (HDG) passou 123 horas em sessões, enquanto o grupo de baixa dose (LDG) gastou 87 horas.


Os resultados mostraram que dentro de um mês, a qualidade do sono de ambos os grupos melhorou significativamente. Tranquilidade, positividade, exaustão física e sintomas de ansiedade e depressão melhoraram significativamente em ambos os grupos, conforme medido por várias escalas clínicas validadas


“Pense desta forma, damos medicamentos em diferentes doses a fim de exercer seus efeitos sobre o corpo em vários graus. Aqui, exploramos o mesmo conceito, mas usamos ioga. Chamamos isso de estudo de dosagem. Estudos anteriores sobre ioga e depressão não se aprofundaram nisso ”, explicou o autor correspondente, Chris Streeter, MD, professor associado de psiquiatria da BUSM.





“Fornecer dados baseados em evidências é útil para fazer com que mais pessoas experimentem ioga como uma estratégia para melhorar sua saúde e bem-estar. Esses dados são cruciais para acompanhar as investigações da neurobiologia subjacente que ajudarão a elucidar 'como' a ioga funciona ”, disse a colaboradora do estudo e coautora Marisa M. Silveri, PhD, neurocientista do Hospital McLean e professora associada de psiquiatria na Harvard Medical School.



A depressão, uma condição que afeta um em cada sete adultos nos EUA em algum momento de suas vidas, é tratada com uma variedade de modalidades, incluindo aconselhamento (especialmente por meio de terapia cognitivo-comportamental) e medicação. A pesquisa mostrou que a combinação de terapia e medicação tem maior sucesso do que qualquer um dos tratamentos isoladamente. Embora estudos com mais participantes possam ser úteis para investigar seus benefícios, este pequeno estudo indica que adicionar ioga à prescrição pode ser útil.


Financiamento: O financiamento para este estudo foi fornecido pelas bolsas R21AT004014 e R01AT007483 (CCS), M01RR00533 do Instituto de Ciências Clínicas e Translacionais da Universidade de Boston (CTSI) e U11RR025771 (Unidade de Pesquisa Clínica Geral no Centro Médico da Universidade de Boston) e K23AT008043 (MBN).


Drs. Brown e Gerbarg ensinam e publicaram Breath-Body-Mind ©, um programa de múltiplos componentes que inclui respiração coerente. O Dr. Streeter é certificado para ensinar Breath-Body-Mind ©. Os outros autores declaram não haver conflitos de interesse.



SOBRE ESTE ARTIGO DE PESQUISA EM NEUROCIÊNCIA

Fonte:

Escola de Medicina da Universidade de Boston

Contatos de mídia:

Gina DiGravio - Escola de Medicina da Universidade de Boston

Fonte da imagem:

A imagem é de domínio público.


Pesquisa Original: Acesso fechado

“Função Psicológica, Iyengar Yoga e Respiração Coerente: Um Estudo Randomizado de Dosagem Controlada”. Chris Streeter at al.

Journal of Psychiatric Practice doi: 10.1097 / PRA.0000000000000435.


Resumo:

Função psicológica, Iyengar Yoga e respiração coerente: um estudo de dosagem controlado randomizado


Antecedentes: As evidências sugerem que a ioga pode ser um tratamento eficaz para o transtorno depressivo maior (TDM). São necessários estudos que avaliem a “dosagem” do tratamento de ioga e a eficácia para o TDM. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos de uma intervenção combinando Iyengar ioga e respiração coerente em participantes com TDM e determinar a dose de intervenção ideal.


Métodos: Trinta e dois participantes (18 a 65 anos de idade) com diagnóstico de TDM foram randomizados para um grupo de alta dose (HDG) ou um grupo de baixa dose (LDG) de ioga e respiração coerente por 12 semanas. O HDG (n = 15) envolveu três aulas de ioga de 90 minutos e quatro sessões de lição de casa de 30 minutos por semana. O LDG (n = 15) envolveu duas aulas de ioga de 90 minutos e três sessões de lição de casa de 30 minutos por semana. Os participantes foram avaliados no início do estudo, semana 4, semana 8 e semana 12 com os seguintes instrumentos: autoteste de positividade, inventário de ansiedade do estado de Spielberger, questionário de saúde do paciente-9, índice de qualidade do sono de Pittsburgh e inventário de sensação induzida por exercício. Os dados foram analisados ​​usando métodos de intenção de tratar.


Resultados: Melhorias significativas em todas as medidas de resultados foram encontradas para ambos os grupos, com benefícios agudos e cumulativos. Embora o HDG tenha mostrado melhorias maiores em todas as escalas, as diferenças entre os grupos não alcançaram significância, possivelmente devido à falta de poder devido ao pequeno tamanho da amostra. Os minutos de ioga cumulativos foram correlacionados com a melhora nas medidas de resultados.


Limitação: Este estudo de dosagem não incluiu um controle não-ioga.


Conclusões: A melhora nos sintomas psicológicos está correlacionada com a prática cumulativa de ioga. Ambas as intervenções reduziram os sintomas de depressão e ansiedade e aumentaram os sentimentos de positividade. O compromisso de tempo para a prática de ioga deve ser pesado contra os benefícios ao projetar intervenções de ioga.



------


English Version



Take a yoga class and depression and anxiety improve





Summary: Yoga intervention reduces symptoms of depression and anxiety while increasing feelings of positivity.

Source: Boston University School of Medicine

Scientific studies already support yoga practice as a means to reduce symptoms of depression and anxiety. Now a new study out of Boston University School of Medicine (BUSM) provides evidence that yoga and breathing exercises can improve symptoms of depression and anxiety in both the short term–with each session as well as cumulatively in the longer term, over three months.

Published online in the Journal of Psychiatric Practice, these findings suggest yoga can be a helpful complementary treatment for clinical depression or major depressive disorder.

A group of 30 clinically depressed patients were randomly divided into two groups. Both groups engaged in lyengar yoga and coherent breathing with the only difference being the number of instructional and home sessions in which each group participated. Over three months, the high-dose group (HDG) spent 123 hours in sessions while the low-dose group (LDG) spent 87 hours.

Results showed that within a month, both groups’ sleep quality significantly improved. Tranquility, positivity, physical exhaustion and symptoms of anxiety and depression significantly improved in both groups, as measured by several validated clinical scales

“Think of it this way, we give medications in different doses in order to enact their effects on the body to varying degrees. Here, we explored the same concept, but used yoga. We call that a dosing study. Past yoga and depression studies have not really delved deeply into this,” explained corresponding author Chris Streeter, MD, associate professor of psychiatry at BUSM.

“Providing evidence-based data is helpful in getting more individuals to try yoga as a strategy for improving their health and well-being. These data are crucial for accompanying investigations of underlying neurobiology that will help elucidate ‘how’ yoga works,” said study collaborator and co-author Marisa M. Silveri, PhD, neuroscientist at McLean Hospital and associate professor of psychiatry at Harvard Medical School.

Depression, a condition that affects one of every seven adults in the U.S. at some point in their lives, is treated with a variety of modalities, including counseling (especially through cognitive-behavioral therapy) and medication. Research has shown combining therapy and medication has greater success than either treatment alone. Although studies with more participants would be helpful in further investigating its benefits, this small study indicates adding yoga to the prescription may be helpful.

Funding: Funding for this study was provided by grants R21AT004014 and R01AT007483 (CCS), M01RR00533 from the Boston University Clinical and Translational Science Institute (CTSI), and U11RR025771 (General Clinical Research Unit at Boston University Medical Center) and K23AT008043 (MBN).

Drs. Brown and Gerbarg teach and have published Breath-Body-Mind©, a multi-component program that includes coherent breathing. Dr. Streeter is certified to teach Breath-Body-Mind©. The other authors declare no conflicts of interest.

ABOUT THIS NEUROSCIENCE RESEARCH ARTICLE

Source:

Boston University School of Medicine

Media Contacts:

Gina DiGravio – Boston University School of Medicine

Image Source:

The image is in the public domain.

Original Research: Closed access

“Psychological Function, Iyengar Yoga, and Coherent Breathing: A Randomized Controlled Dosing Study”. Chris Streeter at al.

Journal of Psychiatric Practice doi:10.1097/PRA.0000000000000435.

Abstract

Psychological Function, Iyengar Yoga, and Coherent Breathing: A Randomized Controlled Dosing Study

Background: Evidence suggests that yoga may be an effective treatment for major depressive disorder (MDD). Studies evaluating the “dosing” of yoga treatment and efficacy for MDD are needed. The goal of this study was to assess the effects of an intervention combining Iyengar yoga and coherent breathing in participants with MDD and determine the optimal intervention dose.

Methods: Thirty-two participants (18 to 65 y of age) diagnosed with MDD were randomized to a high-dose group (HDG) or a low-dose group (LDG) of yoga and coherent breathing for 12 weeks. The HDG (n=15) involved three 90-minute yoga classes and four 30-minute homework sessions per week. The LDG (n=15) involved two 90-minute yoga classes and three 30-minute homework sessions per week. Participants were evaluated at baseline, week 4, week 8, and week 12 with the following instruments: Positivity Self-Test, Spielberger State Anxiety Inventory, Patient Health Questionnaire-9, Pittsburgh Sleep Quality Index, and Exercise-induced Feeling Inventory. Data were analyzed using intent-to-treat methods.

Results: Significant improvements in all outcome measures were found for both groups, with acute and cumulative benefits. Although the HDG showed greater improvements on all scales, between-group differences did not reach significance, possibly due to lack of power because of the small sample size. Cumulative yoga minutes were correlated with improvement in outcome measures.

Limitation: This dosing study did not include a non-yoga control.

Conclusions: Improvement in psychological symptoms correlated with cumulative yoga practice. Both interventions reduced symptoms of depression and anxiety and increased feelings of positivity. The time commitment for yoga practice needs to be weighed against benefits when designing yoga interventions.

4 visualizações0 comentário